Sachsida entrega a Guedes pedido para iniciar estudos sobre privatização da Petrobas

O anúncio das análises para as desestatizações, classificadas como "a libertação do povo brasileiro contra os monopólios" pelo novo ministro, foi feito na quarta-feira.
DA REDAÇÃO – PORTAL AM1
Publicado em 12/05/2022 16:26

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, entregou na manhã desta quinta-feira, 12, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o pedido para início dos estudos para as privatizações da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo SA (PPSA), estatal responsável pelos contratos da União no pré-sal. Segundo Guedes, as solicitações devem ser encaminhadas ainda hoje para a Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos.

O anúncio das análises para as desestatizações, classificadas como “a libertação do povo brasileiro contra os monopólios” pelo novo ministro, foi feito na quarta-feira, 11, durante a primeira declaração de Sachsida como ministro de Minas e Energia.

Leia mais: Tarcísio diz que perdão de Bolsonaro a Daniel Silveira foi ‘remédio’ necessário

Sachsida assume a pasta no lugar do ex-ministro Bento Albuquerque, que não resistiu à insatisfação do presidente Jair Bolsonaro aos reajustes nos preços dos combustíveis feitos pela Petrobras.

“Aqui está meu primeiro ato como Ministro de Minas e Energia, a solicitação formal para que se inicie os estudos que visam o começo do processo de desestatização da PPSA e da Petrobras. Espero que no período mais rápido de tempo possível tenhamos essa resolução pronta e levamos para o presidente Jair Bolsonaro assinar esse decreto e começar esse processo aguardado pelo povo brasileiro”, afirmou Sachsida. “É a libertação do povo brasileiro contra os monopólios.”

Experiência ajudou Brasil a tomar medidas contra inflação, diz Guedes
Foto: Reprodução

Questionado sobre os prazos para os estudos, Guedes afirmou que encaminhará as solicitações imediatamente ao PPI para que seja feita uma resolução “ad referendum”, o que significa poder definir medidas de forma individual, para dar sequência aos estudos para a PPSA e, depois, para a Petrobrás.

Durante sua declaração, o ministro respondeu a sindicalistas que gritavam em frente à sede da pasta. “Queria que todos soubessem que nós sempre respeitamos, como uma democracia, respeitamos os vencedores das eleições. Quando alguém, eu não quero falar de quem roubou a Petrobras, assaltou a Petrobras. Durante anos roubaram, foram condenados e eu não quero falar isso. Quero simplesmente receber como um programa de governo, que teve 60 milhões de votos, receber o pedido do novo ministro. Nós vamos devolver ao povo brasileiro o que é deles.”

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS