Peixoto é alvo do TCE por suspeita de irregularidade em licitação de R$ 7,2 milhões - Amazonas1
22 de janeiro de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Peixoto é alvo do TCE por suspeita de irregularidade em licitação de R$ 7,2 milhões

O prefeito de Itacoatiara, que não conseguiu a reeleição, deve explicar licitação que contratou empresa para pavimentar as ruas do município

Peixoto é alvo do TCE por suspeita de irregularidade em licitação de R$ 7,2 milhões
Foto: reprodução

Às vésperas de encerrar o mandato em Itacoatiara, o prefeito Antônio Peixoto (PT) voltou a virar alvo do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM). Desta vez, a suspeita é de irregularidade em uma licitação para contratar empresa de engenharia para pavimentar as ruas do município pela quantia de R$ 7,2 milhões.

Leia mais: Peixoto é investigado por suspeita de irregularidade em pregão de R$ 3,3 milhões

A informação foi publicada no Diário Eletrônico da Corte de Contas, nessa quinta-feira (26), após o presidente Mario de Mello aceitar uma representação com pedido de medida cautelar contra a Prefeitura de Itacoatiara – administrada por Peixoto – até o dia 31 de dezembro de 2020.

Segundo a publicação, o documento foi assinado pela empresa Costaplan Construções Ltda-EPP, no qual aponta possíveis irregularidades na Concorrência nº 003/2020 que visava à contratação de empresa especializada para execução de pavimentação em concreto e asfáltica em Itacoatiara.

Entre as inconsistências, a empresa alega que não foi concedido o prazo recursal previsto em lei e sustenta que Peixoto adjudicou e homologou o certame havendo, ainda, prazo para interposição de recurso, violando, portanto, o direito ao contraditório e ampla defesa.

Leia mais: Cabo Maciel é flagrado pela Polícia Federal com R$ 52,5 mil em Itacoatiara

Também argumenta que a empresa Estrela Guia Engenharia – que saiu vencedora na concorrência pública – foi inabilitada no início do processo, porém, conseguiu reverter a decisão após apresentar petição à Procuradoria Geral do Município. No entanto, diz que a habilitação ocorreu fora do prazo legal.

Além disso, a representante aponta que a empresa vencedora não teria apresentado a comprovação de capacidade técnica, conforme exigido no edital.

Homologação

O extrato de adjunção e homologação do certame foi assinado por Antônio Peixoto no último dia 19 e publicada no Diário Eletrônico dos Municípios no dia seguinte. Segundo a publicação, o serviço vai custar o valor global de R$ 7.205.389,28 aos cofres públicos de Itacoatiara.

Pedidos

Diante das alegações, a Costaplan requer, liminarmente, a anulação do ato administrativo da adjudicação e homologação da Concorrência nº 003/2020. Agora, a decisão ficou nas mãos do conselheiro-relator das contas de Itacoatiara, Júlio Assis Corrêa Pinheiro.

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading