Deputados explicam contratação de 10 mil funcionários para Secretaria de Saúde

US - R$ 4,18

×

Deputados explicam contratação de 10 mil funcionários para Secretaria de Saúde

Em entrevista à Rádio Diário, a líder do governo, Joana Darc, e o vice líder, Saulo Viana, falam sobre a segurança jurídica dos contratos de 10 mil pessoas

(Reprodução)

Qual a segurança jurídica e econômica aos terceirizados da saúde após a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) autorizar, nessa quarta-feira, 4, o governo a contratar trabalhadores sob o regime “temporário”, ou Regime de Direito Administrativo (RDA)?

A dúvida é frequente e foi levantada no programa Diário da Manhã, na rádio Diário, onde a jornalista Paula Litaiff conversou com deputados sobre o assunto.

De acordo com a líder do governo na Aleam, deputada estadual Joana Darc (PL), durante entrevista, uma das principais dúvidas é do trabalhador com mais anos em exercício que se pergunta sobre a garantia de sua vaga.

Confira também:

Estado quer contratar profissionais de saúde em regime temporário

Com urgência e sem debate, Aleam autoriza governo a contratar temporários na saúde

Segundo ela, todos serão devidamente priorizados. “Inclusive, o Estado está trabalhando uma forma de não fazer o processo seletivo e sim a absorção direta”, diz a deputada, destacando que os parlamentares estarão acompanhando todas as fases do processo. Conforme aprovado na Lei, serão analisados o currículo e a capacidade técnica do profissional.

“Dentro das regras do processo seletivo, já no edital, colocaremos que aquele tempo que o servidor trabalhou na unidade de saúde, ele pode e vai contar para o currículo dele, mas nós estamos trabalhando para ter a absorção direta”, comenta.

(Reprodução)

Segundo Joana Darc, o profissionais que cumprem suas obrigações, que sempre estiveram nos hospitais em prol da saúde pública, mesmo diante de todas as dificuldades, serão os mais valorizados e serão absorvidos pelo Governo do Estado.

Atualmente, o Estado tem aproximadamente 10 mil funcionários terceirizados da área da saúde. Desses, cerca de 6 mil são da atividade-fim, ou seja, técnico de enfermagem, enfermeiros e médicos e, segundo o deputado Saulo Vianna (PPS), com a contratação direta, R$ 3 milhões de recursos públicos serão economizados por mês, devido a retirada de encargos, impostos e lucros encaminhados às empresas e com isso, consequentemente, gerará uma economia para o Estado e segurança para os trabalhadores.

 

Veja também:

 

Faça um comentário