TCE apura denúncia de acúmulo de cargos na Prefeitura de Coari - Amazonas1
3 de dezembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

TCE apura denúncia de acúmulo de cargos na Prefeitura de Coari

A nova denúncia contra o prefeito, que busca a reeleição, identificou o possível acúmulo ilícito de cargos públicos de 213 servidores

TCE apura denúncia de acúmulo de cargos na Prefeitura de Coari
Prefeito Adail Filho está sob suspeita de várias irregularidades. (Foto: reprodução da Internet)

O prefeito de Coari, Adail Filho (PP) voltou a entrar na mira do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) por suspeita de irregularidades na administração pública. Dessa vez, ele é alvo de uma representação, com medida cautelar, em razão de possíveis práticas de acúmulos ilícitos de cargos públicos.

Eleições

No início deste mês, a Corte de Contas também aceitou uma representação contra o prefeito sobre suposta falta de pagamentos que chega a quase R$ 1 milhão por parte da prefeitura municipal a uma empresa de produtos médicos hospitalares. Na ocasião, o TCE deu o prazo de cinco dias para esclarecer o caso. 

Leia mais: Adail Filho deve explicar falta de pagamentos de quase R$ 1 milhão

Já a nova denúncia foi formulada pela Secretaria Geral de Controle Externo do TCE contra o prefeito que busca a reeleição, após identificar, por meio da Diretoria de Controle Externo de Admissões de Pessoal (DICAPE), 213 servidores em possível acúmulo ilícito de cargos públicos na Prefeitura de Coari.

A representante lembra que existem exceções ao mandamento constitucional e cita que é possível a acumulação de cargos ou empregos públicos, desde que ocorra pela via excepcional, limitada há apenas 2 (dois) cargos/funções, respeitado a observância do teto remuneratório por ente federativo.

“Logo, se a acumulação de cargos públicos não estiver obedecendo as normas singulares mencionadas acima, é cristalino o entendimento de que está ocorrendo a burla ao art. 37, XVI da Constituição Federal de 1988, bem como ao entendimento jurisprudencial de Cortes Superiores. Nesse sentido, resta evidente que, os diversos cargos/funções ocupados pelos servidores desta peça, são incompatíveis com as exceções previstas”, diz em um trecho.

A Secretaria Geral também sustenta que é evidente o risco de dano, seja material ou imaterial, tendo em vista que manter a continuidade de possíveis irregularidades afrontam diretamente os princípios que regem a Administração, sobretudo o da impessoalidade, legalidade e moralidade.

Leia mais: Em Coari, Adail Filho tem sete dias para contestar impugnação de candidatura

Diante dos fatos apresentados, a representante requer, liminarmente, que seja determinado ao prefeito de Coari, Adail Filho, o prazo de 10 (dez) dias, para que adote as providências devidas referentes à apuração dos acúmulos ilícitos de cargos públicos dos servidores indicados.

No mesmo prazo, Adail Filho deve encaminhar ao TCE cópia dos termos de opção e/ou cópias das publicações dos atos de abertura de Processo Administrativo Disciplinar ou dos atos de exoneração dos servidores irregulares.

Além disso, a Secretaria Geral pede que o prefeito seja advertido quanto à aplicação de multa em caso de descumprimento das determinações da Corte de Contas.

A informação foi publicada no Diário Oficial Eletrônico do Tribunal de Contas, nesta sexta-feira (23), após o conselheiro-presidente Mario de Mello aceitar a representação movida pela Secretaria Geral de Controle Externo do TCE.

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading