Manaus, 16 de julho de 2024
×
Manaus, 16 de julho de 2024

Manchete

Após diretor ser preso pela PF, Francisca Mendes muda de comando

Após diretor ser preso pela PF, Francisca Mendes muda de comando

(Foto: Lívia Anselmo/Susam)

A farmacêutica Juliana Dias Palheta foi empossada, nesta quarta-feira (20), como diretora do Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM). A escolha de Juliana, que já ocupou a diretoria administrativa financeira do hospital, ocorre em substituição ao médico Pedro Elias de Souza, ex-secretário de Sáude preso pela Polícia Federal na Operação Custo Político, no dia 13 deste mês.

Posse da nova diretora do Francisca Mendes (Foto: Lívia Anselmo/Susam)

O secretário de Estado de Saúde, Francisco Deodato, e o reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Sylvio Puga, participaram da cerimônia de posse, realizada no Centro de Estudos e Pesquisado Hospital. 

Durante a cerimônia, Francisco Deodato lembrou que o Hospital Francisca Mendes é referência nacional e, muitas vezes, referência para profissionais de reconhecimento internacional. Por isso, para ele, é necessário que a nova gestão da unidade trabalhe para fortalecer essa condição que a unidade ocupa na saúde.

O reitor da Ufam disse que esse é o primeiro passo para dar novos rumos ao hospital.  Juliana Dias Palheta é pós-graduada em Auditoria e Gestão dos Serviços de Saúde (Oswaldo Cruz/IPOG) e Farmacologia (Faculdade Dom Bosco). Trabalha no Hospital Francisca Mendes desde 2007, onde já atuou como farmacêutica na Gerência de Risco e, em 2015, como Diretora Administrativa e Financeira.

Operação Custo Político

No último dia 13, em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF), a PF deflagrou a segunda fase da Operação Maus Caminhos, iniciada em setembro de 2016. Entre os alvos estavam ex-secretários de governo do Estado do Amazonas. Entre os detidos, Wilson Alecrim e Pedro Elias, ambos da Saúde.

Além deles, são alvos o ex-secretário de Administração e Gestão, Evandro Melo, que é irmão do ex-governador José Melo, o ex-chefe da Casa Civil, Raul Zaidan e o coronel da Polícia Militar (PM) Aroldo Ribeiro.

O ex-secretário da Fazenda (Sefaz), Afonso Lobo, foi o último a ser preso.