Bolsonaro diz que, se pudesse, ‘se livrava’ da Petrobras

Presidente disse que as pessoas o chamam de "malvadão", e que a culpa do aumento dos combustíveis seria dele
Publicado em 12/01/2022 21:03
Bolsonaro afirma que PT 'mente' ao dizer que reforma trabalhista retirou direitos
Foto: reprodução

BRASÍLIA, DF – O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a protagonizar polêmica nesta quarta-feira (12). Durante uma transmissão ao vivo, Bolsonaro disse que, se pudesse, “se livrava” da Petrobras. Ele deu a declaração em entrevista ao site “Gazeta Brasil”.

“Alguém acha que eu sou o malvadão, que foi aumentado o preço da gasolina e do diesel ontem porque sou o malvadão? Primeiro que não tenho controle sobre isso. Se pudesse, ficaria livre da Petrobras”, afirmou, na entrevista.

Bolsonaro ainda disse que a crise hídrica que o país sofre, atualmente, influenciou nos valores dos combustíveis e da energia. “Daí, aparecem as bandeiras, amarela, vermelha. Quem decide as bandeiras não sou eu, é a Agência Nacional de Energia Elétrica, agência independente criada em 1999”, apontou.

Leia mais: Vídeo: Bolsonaro afirma que Ômicron é ‘bem-vinda’ no Brasil: ‘não tem matado ninguém’

Em outro comentário, desta vez sobre a inflação oficial de 2021, o presidente desconversou, e disse que isso já havia acontecido outras vezes, principalmente durante o governo Dilma Rousseff (PT). Em 2021, a meta da inflação era de 5,25%, mas o ano encerrou com o índice oficial em 10,06%, quase o dobro. O presidente disse que o aumento da inflação é culpa da “política do fique em casa”, isto é, das medidas de isolamento social e lockdown para barrar o aumento e disseminação da covid-19.

Este é mais um dos atritos que o presidente coleciona com a Petrobras e outras agências e integrantes do governo. Em dezembro de 2021, depois de o presidente que a empresa faria mais um reajuste no preço dos combustíveis, a diretoria da Petrobras teve que vir a público para dizer que não antecipa decisões sobre aumentos ou diminuições no preço da gasolina para ninguém.

(*) Com informações do UOL.

fato

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS