MENU

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Braga é citado como ‘padrinho’ em esquema de Eunício investigado na Lava Jato

• Publicado em 27 de março de 2017 – 16:10
BR

O nome do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) foi citado pela Polícia Federal (PF) como um dos padrinhos do correligionário Eunício Oliveira (PMDB-CE), na aprovação de justes na Medida Provisória no 688 de 2015, cujo objetivo era compensar usinas hidrelétricas por prejuízos decorrentes da falta de chuvas. Em um parecer de 22 páginas, Eunício, que hoje é presidente do Senado, chega a defender que as perdas financeiras das empresas sejam pagas pelo consumidor. O texto final foi aprovado em 4 de novembro de 2015. As informações foram publicadas, neste fim de semana, pela revista Época.

Em relatório sigiloso obtido pela revistar, a PFl levanta suspeitas de que Eunício confeccionou o relatório da Medida Provisória para atender a interesses defendidos por Milton Lyra, um lobista ligado ao ex-presidente do Senado Renan Calheiros e investigado pela Operação Lava Jato, acusado de intermediar o pagamento de propina a senadores do PMDB. Chamado de Miltinho nos círculos de Brasília, Lyra é um personagem central das investigações da Lava Jato por ser um dos principais operadores do PMDB do Senado.

No caso em questão, ele aparece em uma frente considerada promissora, o comércio de Medidas Provisórias. Na prática, parlamentares redigiam essas medidas para atender a interesses de empresas em troca de dinheiro. É por esse caminho, com a delação dos 78 executivos da Odebrecht e subsídios de outras áreas, que a Lava Jato vai avançar sobre os senadores do PMDB. 

Em uma de suas operações, a Polícia Federal encontrou em cima de uma escrivaninha da residência de Milton Lyra documentos relacionados à MP 688, relatada por Eunício. “As principais alterações propostas à Medida Provisória e encampadas pelo senador Eunício Oliveira condizem com o objeto da petição apreendida na casa do investigado Milton Lyra”, diz o relatório. Com base na Medida, uma empresa que a PF suspeita ser representada por Lyra aproveitou para tentar um acréscimo milionário em sua receita.

Os investigadores encontraram também na mesa de Lyra cópia de uma petição da Interligação Elétrica do Madeira, subsidiária da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista, solicitando à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a revisão de um contrato de transmissão de energia e o aumento de R$ 34 milhões da receita anual permitida. O fundamento usado na petição é a legislação decorrente da Medida Provisória relatada por Eunício. O pedido foi rejeitado pela Aneel em 26 de abril do ano passado e em um despacho neste mês. 

Apesar de ainda não ter elementos conclusivos, a PF aponta a possibilidade de que Lyra atuava como lobista da empresa por seu histórico de influência nos bastidores do poder de Brasília. Há um ano, Milton apareceu na Lava Jato no papel de facilitador de Eunício. Segundo a delação premiada do ex-diretor da Hypermarcas Nelson Mello, Lyra intermediou o pagamento de R$ 5 milhões para a campanha de Eunício ao governo do Ceará, em 2014. Mello disse em depoimento que “ajudou mediante contratos fictícios”.

Na terça-feira, dia 21, as empresas usadas nesses contratos foram alvo da Operação Satélites, deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com a Procuradoria-Geral da República para investigar as suspeitas de corrupção envolvendo o presidente do Senado e seus colegas senadores do PMDB, Renan Calheiros e Valdir Raupp, além do senador petista Humberto Costa. A operação se baseou nas delações de Nelson Mello e dos executivos da Odebrecht.

Leia a matéria da Época:

 

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap