MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Brasil já soma 23 medalhas em 4 dias de competições nos Jogos Paralímpicos

Neste sábado (28), os atletas garantiram mais medalhas, sendo seis de ouro, cinco de prata e 12 medalhas de bronze
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 28 de agosto de 2021 – 13:33
Foto: Reprodução

TÓQUIO, JAPÃO – Em apenas 4 dias de competições, os atletas brasileiros já mostraram que esses Jogos Paralímpicos serão um sucesso para o Brasil. O país já soma 23 medalhas, sendo seis de ouro, cinco de prata e 12 medalhas de bronze. Neste sábado (28), os brasileiros garantiram mais medalhas na competição em Tóquio.

A mesa-tenista Cátia Oliveira conquistou, no início da madrugada de hoje (28), o bronze na classe unificada 1 e 2 do tênis de mesa em Tóquio. Com o resultado, a atleta alcançou sua primeira medalha paralímpica.

Leia mais: Judoca Lúcia Araújo ganha Bronze em Tóquio

Cátia Oliveira, que já foi vice-campeã no Mundial Individual de 2018, foi superada pela sul-coreana Seo Su Yeon, atual campeã mundial e vice-campeã paralímpica, por 3 sets a 1 (11/7, 8/11, 5/11 e 9/11), em 33 minutos de jogo.

Outra brasileira que entrou em quadra neste sábado foi Bruna Alexandre, que seguiu para a final da classe 10 ao vencer Shiau Wen Tien, do Taipei, por 3 sets a 1 (14/12, 6/11, 12/10 e 11/7). A catarinense é a atual número quatro do ranking na categoria. Ela disputará a decisão pelo ouro na próxima segunda-feira (30), às 6h45 (horário de Brasília), contra a australiana Qian Yang.

Bronze na natação

A natação brasileira chegou, na manhã de hoje (28), a sua 10a medalha na Paralimpíada de Tóquio (Japão), com a conquista do bronze no revezamento 4x100m livre misto S14 (atletas com deficiência intelectual).

A princípio, a equipe formada por Ana Karolina Soares, Debora Carneiro, Felipe Vila Real e Gabriel Bandeira havia ficado em quarto, com o tempo de 3min51s23. 

Após a prova, contudo, a equipe do Comitê Paralímpico Russo, que havia ficado em terceiro, foi eliminada, o que fez com que os brasileiros herdassem o bronze. A organização ainda não divulgou o motivo da punição.

Lançamento de dardos

Após uma final acirradíssima, com direito a sucessivas quebras de recordes paralímpico e mundial, o brasileiro Cícero Nobre ficou com o bronze no lançamento de dardo da classe F57 (atletas com comprometimento dos membros inferiores).

O próprio Nobre foi o primeiro a superar marcas, garantindo o pódio com 48,93 metros, recorde paraolímpico da categoria. O brasileiro era considerado um dos favoritos após ter se tornado campeão mundial em 2019 com o que, até agora, era o recorde mundial (49,26m).

Leia mais: Brasil alcança 6º lugar no ranking das Paralimpíadas

O paraibano Cícero Nobre, de 29 anos, participa pela segunda vez de uma Paralimpíada. No Rio, em 2016, ele ficou em quarto lugar na mesma prova. 

Lançamento de disco

Julyana da Silva alcançou a medalha de bronze na prova do lançamento de disco classe F57 da Paralimpíada de Tóquio (Japão), no início da madrugada deste sábado (28) no Estádio Olímpico. A carioca fez um lançamento de 30,49 metros (m) para garantir a 19ª medalha do Brasil nos Jogos realizados na Terra do Sol Nascente. Nas outras tentativas, Julyana conseguiu lançar para 30,36 m, 30,28 m, 29,41 m, 28,66 m e 29,63 m.

A medalha de ouro ficou com a uzbeque Mokhigul Khamdamova (31,46 m) e a prata parou nas mãos da argelina Nassima Saifi (30,81 m). A outra brasileira na prova, Tuany Siqueira, conseguiu a marca de 21,30 m, terminando na 11ª posição.

Prata nos 400 m classe T11

A brasileira Thalita Simplício garantiu a medalha de prata na prova dos 400 metros (m) rasos, classe T11, da Paralimpíada de Tóquio (Japão) com o tempo de 56s80, na noite desta sexta-feira (27) no Estádio Olímpico.

Para alcançar esta conquista, a 18ª medalha do Brasil em Tóquio, a potiguar teve que completar a prova com o seu melhor tempo da carreira.

O ouro ficou com a chinesa Liu Cuiqing (56s25), detentora do recorde mundial da prova (56s00) e que já tinha vencido em 2016 (Rio de Janeiro), enquanto o bronze foi para a colombiana Angie Pabon (57s46).

(*) Com informações da Agência Brasil

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap