Bolsonaro sobre reabrir igrejas: 'Vou ver se resolvo hoje essa parada aí'

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

14 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Bolsonaro sobre reabrir igrejas: ‘Vou ver se resolvo hoje essa parada aí’

Presidente comentava com uma apoiadora que pediu para que templos religiosos se enquadrassem em serviços essenciais.

Bolsonaro sobre reabrir igrejas: ‘Vou ver se resolvo hoje essa parada aí’
Foto: reprodução/metropoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sinalizou que pretende decretar, ainda nesta segunda-feira, 25, que as igrejas e templos religiosos prestem serviços essenciais.

Bolsonaro recebeu o pedido de uma apoiadora na saída do Palácio da Alvorada.

O chefe do Executivo já havia determinado reabertura de igrejas, mas a decisão foi cassada pela Justiça Federal.

“Vou ver se resolvo hoje [segunda-feira] essa parada aí”, respondeu ao pedido da mulher. Da última vez que decidiu ampliar o leque de serviços essenciais, o presidente incluiu salões de beleza, barbearia e academias no rol. O decreto leva apenas a assinatura de Bolsonaro e do ministro da Casa Civil, Braga Netto.

O ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, foi pego de surpresa pela mudança.

Questionado sobre a ausência de sua assinatura no texto durante uma coletiva de imprensa, Teich não sabia do que se tratava e limitou-se a dizer que decisão cabia ao presidente.

As posições de Bolsonaro sobre o retorno às atividades têm gerado atrito com governadores.

No último decreto, o presidente reclamou de chefes dos Executivos estaduais que não aderiram à norma e pediu para acionarem a Justiça caso não concordassem com o decreto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que a adoção de medidas de isolamento em âmbito local cabe a prefeitos e governadores.

 

(*) Com informações do Metrópoles

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias