Desmatamento na Amazônia registra alta de 34% em um ano - Amazonas1

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

27 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Desmatamento na Amazônia registra alta de 34% em um ano

Os dados do INPE foram atualizados na última sexta-feira e apontam mais de 9.056,26 km² desmatados

Desmatamento na Amazônia registra alta de 34% em um ano
Foto: Reprodução

Nem a pandemia diminuiu a pressão do desmatamento sobre a Amazônia. Ao contrário. Terminado o calendário do desmatamento, que vai de agosto do ano anterior a julho do ano seguinte, o sistema de alerta de desmatamento do INPE, o Deter, contabiliza 9.056,26 km² desmatados. Esse número representa uma alta de 34% em relação ao mesmo período no ano passado (agosto 2018/julho 2019), quando foram registrados 6.844 km² perdidos.

Leia mais: Amazônia: desmatamento cresceu 33% entre 2019 e 2020

Os dados do INPE foram atualizados na última sexta-feira (07), na plataforma Terra Brasilis. Desde 2003 os dados do desmatamento do INPE são públicos.

Entre agosto a julho, o estado recordista de desmatamento foi o Pará, com 3.865.60 km²; seguido pelo Mato Grosso, com 1.863.21 km²; pelo Amazonas, com 1.253.76 km²; e por Rondônia, com 1.235.13 km² de cobertura florestal perdida.

O Deter é um sistema que emite alertas quase em tempo real para apoiar ações de fiscalização no campo, portanto ele não é usado para calcular a taxa oficial de desmatamento, essa é responsabilidade do Prodes, também feito pelo INPE, que olha com maior precisão para os dados de perda de cobertura florestal.

Historicamente, os números apresentados pelo Deter são menores do que os dados consolidados do Prodes, que representam as estatísticas oficiais sobre o desmatamento na Amazônia. Os dados são divulgados preliminarmente em novembro. Com base no aumento do Deter, especialistas temem que o Prodes do período ultrapasse a barreira dos 13 mil km².

Para fins de análise, ((o))eco comparou os dados de períodos passados do Deter x Prodes, para mensurar a variação entre os números. Em todos os anos, os dados consolidados do Prodes tiveram uma variação de mais de 40% em cima dos números do Deter. A série histórica do Deter começa no ano de desmatamento entre agosto de 2015 e julho de 2016, neste período, os números do Prodes foram 46,79% maiores. Entre 2017-2018, a variação chegou a 64,86%.

Uma projeção conservadora em cima de apenas 40% de variação sobre o número do Deter para o período de 2019-2020 já elevaria o nível do desmatamento para a casa dos 12.678 km². No período de agosto de 2018 a julho de 2019, os números consolidados do Prodes revelaram que a Amazônia perdeu 10.129 km² de florestas, no maior índice desde 2008.

Mourão aponta inversão de tendência

Mês a mês, se comparado com as medições do ano anterior, os níveis de desmatamento entre agosto de 2019 e julho de 2020 se mantiveram acima da média em relação ao período anterior. A exceção é julho, com 1.654 km² desmatados, uma queda de 26,6% em comparação com o mesmo mês em 2019, quando o Deter detectou 2.255 km² desmatados.

A diminuição em julho foi suficiente para que o vice-presidente, General Hamilton Mourão, que coordena o Conselho da Amazônia, comemorasse. Em publicação no seu Twitter, ele apontou a queda no último mês como o “início da inversão de tendência”, o que seria fruto dos “resultados positivos da Operação Verde Brasil 2”. Especialistas apontam, entretanto, que é muito cedo para definir a redução como tendência e ressaltam que apesar de menor em relação à julho de 2019, este ainda é o segundo maior índice de desmatamento registrado pelo Deter em julho, bem acima dos anos anteriores.

(*) Com informações do O Eco

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading