TJ-AM extingue ação de Carlos Almeida que reclamava cargos comissionados - Amazonas1

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

27 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

TJ-AM extingue ação de Carlos Almeida que reclamava cargos comissionados

Com a decisão do TJ-AM, chega ao fim a novela iniciada por Carlos Almeida, buscando segurar sob sua caneta cargos comissionados de livre nomeação

TJ-AM extingue ação de Carlos Almeida que reclamava cargos comissionados
Foto: Márcio Silva - Portal Amazonas1

A desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), Onilza Abreu Gerth, determinou a extinção e arquivamente do Mandado de Segurança (MS), movido pelo vice-governador, Carlos Almeida (Sem partido), contra a Lei Estadual nº 5.243/2020, que retirou cargos da vice-governadoria para distribuir em outras secretarias do Governo do Amazonas.

Com essa decisão, chega ao fim a novela iniciada por Carlos Almeida, buscando segurar sob sua caneta cargos comissionados de livre nomeação.

Leia mais: ‘Não tenho nenhuma batalha judicial contra o vice’, diz Wilson Lima

Na decisão de Onilza Abreu Gerth ela afirma que a peça (Mandado de Segurança) movido pelo vice-governador “não é passível de conhecimento” porque não tem, na essência do questionamento, “existência de direito líquido e certo violado” ou “iminência de violação” de qualquer direito reclamado por Carlos Almeida.

‘Sem conhecimento’

Assim, diz a desembargadora, a Lei nº 12.016/2009, garante a ela “indeferir a inicial, desde logo, quando lhe faltar alguns dos requisitos”.

“O presente mandamus não é a via adequada para se buscar a negativa de vigência dos efeitos da referida Lei. Isto porque, tanto o pleito liminar, quanto o pedido final, visam atacar ‘lei em tese’. O referido meio processual não se presta a impugnar normas gerais e abstratas. (…) Portanto, não é cabível o mandado de segurança contra lei em tese, nem como sucedâneo de ação direta de inconstitucionalidade, sendo certo que a mera expectativa de violação não pode ser elevada à categoria de liquidez e certeza para fins de impetração do remédio constitucional”, sentencia a desembargadora.

Leia a decisão da desembargadora Onilza Abreu Gerth

Decisaõ MS - Desdora Onilza Gerth

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading