Deputados pressionam David Almeida para cancelar Réveillon milionário da prefeitura

A cobrança ocorre devido ao alerta da nova variante africana, que pode causar um novo colapso na saúde do Amazonas
Publicado em 30/11/2021 14:17
Foto: Divulgação/Aleam

MANAUS, AM – Com o avanço da nova variante Ômicron, a possibilidade de ocorrer a 3º onda da pandemia no Amazonas tem preocupado os deputados estaduais, que passaram a cobrar o cancelamento das festividades de Réveillon, em Manaus.

Na tentativa de frear o avanço da contaminação da covid-19, mais de 10 capitais brasileiras tiveram as festividades de Natal e Réveillon canceladas pelos prefeitos.

Porém, nenhuma medida similar foi tomada pelo prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), que preferiu esperar até a primeira quinzena de dezembro para decidir sobre a realização da festividade milionária que, até então, vai ocorrer na Ponta Negra, na virada do ano.

Nesta terça-feira (30), o assunto se tornou pauta entre os deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) que consideraram a necessidade de cancelar as festividades.

Leia mais: Por falta de deputados, Aleam deixa de votar 57 projetos

Para o deputado Serafim Corrêa (PSB), a melhor decisão seria cancelar as festividades programadas para ocorrer no próximo mês na capital.

“Não podemos viver a mesma situação da segunda onda. Temos que tomar todo cuidado e cautela, por isso, nesse momento, ao meu ver, os eventos do fim de ano devem ser cancelados. É necessário!”, disse.

Foto: Divulgação

O deputado Wilker Barreto (sem partido) considerou que não há motivos para priorizar as festividades nesse momento e considerou que todo tipo de aglomeração pode resultar em uma nova onda de contaminação.

“Todos os alertas já estão sendo feitos. Não sabemos a letalidade dessa variante, por isso, qualquer aglomeração nesse momento é um risco. Eventos menores como confraternizações ainda podem ser controlados, mas grandes eventos como Réveillon fogem do controle. O momento é de cautela, então, por que fazer o Amazonas passar pela mesma situação que ocorreu na primeira e segunda onda? Arriscar por quê?”, considerou.

Considerando o aumento de internações por covid-19, o deputado Dermilson Chagas (sem partido) afirmou que as ações do Executivo estadual e municipal não podem ser tomadas de maneira tardia.

“Esse é o momento de repensar e tomar decisões que assegurem a população. Não dá para ficar pensando no que vai fazer. É preciso cancelar todos os eventos, incluindo o Carnaval. Os leitos de UTIs estão lotados na capital, isso sem a variante, se ele chegar aqui, os hospitais não terão capacidade de receber tantos pacientes! Ao meu ver [sic], esse assunto não está sendo levado a sério em Manaus, devemos escolher a vida e escolher viver!”, declarou.

Já o deputado Fausto Júnior (MDB) ponderou que as medidas de restrição devem ser adotadas com antecedência para que a economia não passe por um novo colapso.

“É preciso tomarmos cuidado para não enfraquecer nossa economia, mas também precisamos evitar uma nova tragédia no nosso estado, então, acima de tudo, precisamos rever a realização de eventos neste momento. Até porque o Amazonas não suporta mais um lockdown […] precisamos tomar os cuidados necessários agora, para que a população não seja prejudicada depois”, considerou.

Custo

Segundo David, as festividades de fim de ano devem desembolsar R$ 10 milhões dos cofres públicos. Além de R$ 600 mil para custear a apresentação do cantor Luan Santana.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS