Crédito a pequena e média empresa começa a ser liberado nesta 2ª feira
A + A -

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

25 de maio de 2020
Site auditado pelo

Redes Sociais

[email protected]

Crédito a pequena e média empresa começa a ser liberado nesta 2ª feira

Montante anunciado pelo governo federal vai ajudar a financiar a folha de pagamento das empresas

Crédito a pequena e média empresa começa a ser liberado nesta 2ª feira
Reprodução: Folha de campo grande

Bancos começam a liberar, a partir desta segunda-feira,06,  a linha de crédito emergencial, anunciada pelo governo federal para financiar a folha de pagamentos de pequenas e médias empresas em meio à crise causada pelo novo coronavírus.

O programa, destinado a empresas com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 10 milhões, entrou em vigor na sexta-feira,03, com a edição de uma Medida Provisória.

O banco Bradesco informou, em nota, que vai começar a oferecer a partir de hoje a nova linha de crédito emergencial. O objetivo da medida é garantir a sobrevivência de empresas e, assim, preservar milhões de postos de trabalho.

No caso do Bradesco, a linha terá capacidade de beneficiar até 1 milhão de trabalhadores. As pequenas e médias empresas clientes do banco com crédito pré-aprovado poderão acessar o financiamento diretamente no Net Empresa ou no Net Empresa Celular.

Demais clientes poderão solicitar o crédito na sua agência, por telefone. Após aprovação, o recurso será liberado nos canais digitais.

Regras

De acordo com as regras do governo, serão elegíveis ao financiamento empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano.

O prazo será de 36 meses, sendo seis meses de carência, com spread bancário zero. A taxa será fixa, de 3,75% ao ano – juro que representa o custo do dinheiro no CDI.

A empresa poderá financiar até duas folhas de pagamento, limitado a dois salários mínimos por funcionário, e não poderá demitir sem justa causa por 60 dias, a contar da data da contratação da linha de crédito.

De acordo com a MP, a linha de capital de giro para o segmento receberá 85% do financiamento do Tesouro Nacional, com recursos repassados pelo BNDES, e 15% dos próprios bancos, que serão responsáveis pelo crédito aos clientes.

 

 

(*) Com informações do Metrópoles

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias