MENU

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

‘Estão inventando uma corrupção virtual’, diz Bolsonaro sobre CPI

A declaração de presidente foi feita a empresários na cidade de Chapecó, em Santa Catarina, nessa sexta-feira
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 26 de junho de 2021 – 11:00
voto impresso
Foto: Alan Santos/PR

RIO DE JANEIRO, RJ – Após afirmar que a CPI da Covid está inventando um caso de corrupção no governo, em referência às acusações de irregularidades na compra da Covaxin, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na noite desta sexta-feira (25) que “tapetão por tapetão” prefere o seu. Bolsonaro não deu maiores detalhes sobre a afirmação, nem sobre qual seria o seu “tapetão”.

“Estão inventando agora na CPI uma corrupção virtual. Uma vacina que não foi comprada, não chegou uma ampola aqui, não foi gasto um real. E o governo está envolvido em corrupção. É o desespero. Por Deus que está no céu, me policio o tempo todo. Só Deus me tira daqui. Tapetão por tapetão sou mais o meu”, disse.

A declaração de Bolsonaro foi feita a empresários na cidade de Chapecó (SC). O prefeito João Rodrigues (PSD) é alinhado ao presidente e defensor do “tratamento precoce”.

Leia mais: Omar Aziz e Carla Zambelli trocam farpas durante sessão da CPI da Covid

Após a afirmação, o presidente disse que joga dentro das quatro linhas da Constituição e voltou a se referir a um decreto que impediria prefeitos e governadores de promover medidas mais duras de distanciamento social em meio à pandemia.

Ele novamente falou sobre a possibilidade de instauração do estado de sítio. “O estado de sítio só entra em vigor depois que meu decreto porventura for aprovado no Congresso. Depois de aprovado, se algo acontecer de errado, eu respondo”, disse.

De acordo com o artigo 137 da Constituição, o estado de sítio pode ser decretado quando há “comoção grave de repercussão nacional ou ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante o estado de defesa” e “declaração de estado de guerra ou resposta a agressão armada estrangeira”. Para isso, o presidente precisa de aprovação do Congresso Nacional.

Leia mais: Bolsonaro: ‘querem imputar a mim crime de corrupção onde não se gastou um centavo’

Durante a sua fala Bolsonaro voltou a questionar a segurança das urnas eletrônicas e disse que irá apresentar as provas. No início da semana, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deu 15 dias para que Bolsonaro apresente as provas de fraude.

No evento, após mais uma vez criticar o STF (Supremo Tribunal Federal), Bolsonaro afirmou que tiraram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da cadeia e o tornaram elegível para que ele pudesse ser presidente. “Na fraude. Com esse critério eletrônico que está aí ele pode chegar, mas com voto auditável não chega”, disse.

Bolsonaro também afirmou que a “democracia não tem preço”, e que o governo pode desembolsar R$ 2 bilhões “para colocar as urnas em condição de imprimir voto”.

(*) Com informações da Folhapress

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap