‘Gastei tempo discutindo a bobagem do voto impresso’, afirma Barroso

O ex-presidente do TSE ainda pontuou o perigo que as redes sociais podem causar para o processo de manutenção da democracia
Da Redação – Portal AM1
Publicado em 13/05/2022 16:41
Foto: Reprodução

Brasília – Durante uma palestra, nesta sexta-feira (13), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que, enquanto esteve na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), precisou gastar tempo “discutindo a bobagem do voto impresso”.

Vale pontuar que no ano passado, as urnas eletrônicas foram colocadas em dúvida em diversos momentos por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que cobravam a inserção do voto impresso nas eleições de 2022.

Segundo informações do jornal Valor Econômico, Barroso deixou de dar atenção às pautas identitárias, como vagas para mulheres no Congresso Nacional, e precisou se doar para discutir o voto impresso.

Leia mais: Bolsonaro nega interferência das Forças Armadas nas eleições: ‘ninguém quer atacar a democracia’

Apesar de tocar no assunto das eleições, o ministro evitou falar diretamente do Brasil e citou países como Venezuela e Rússia, como regresso democrático. “O mundo vive um momento lúgubre, triste e agressivo. Em tempos assim, é preciso ter cuidado para não entrar no clima, para não ser parte da negatividade geral”, afirmou.

Barroso aproveitou o momento para destacar os perigos das redes sociais para tentar desestabilizar o processo de manutenção da democracia. “A internet virou um espaço onde se difunde ódio e desinformação e de propagação da intolerância”, disse.

Com amplo apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL), a PEC do voto impresso foi um projeto de autoria da deputada Bia Kicis (PL-DF). Em agosto de 2021, a Câmara dos Deputados barrou o projeto. A PEC do voto impresso conseguiu somente 229 votos a favor – quando era necessário 308 votos para aprová-la.

(*) Com informações do Uol

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS