Gestores de colégios militares podem ser multados por cobrarem material didático

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

29 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Gestores de colégios militares podem ser multados por cobrarem material didático

Um ofício expedido pelo MP-AM proíbe a exigência e aplicando multa de R$500 por cada aluno que deixar de receber o material escolar

Gestores de colégios militares podem ser multados por cobrarem material didático
(Foto: Divulgação)

O Ministério Público do Amazonas, por meio da 55ª Promotoria de Justiça da Educação, expediu ofício aos gestores das nove unidades de colégios militares da Polícia Militar (CMPM) citando as sanções aplicáveis aos casos de descumprimento da sentença judicial proferida na Ação Civil Pública (ACP) nº 0640921-05.2016.8.04.0001, em dezembro de 2019.

Leia mais: Comandante da PM beneficia filhos de policiais com vagas em colégios militares

Colégios militares estão proibidos de cobrar taxas de alunos

Após corte na educação, Bolsonaro defende colégios militares em todo Brasil

‘Queremos colocar colégios militares em todos os Estados do País’, diz Bolsonaro

Na decisão, o juiz da Vara da Infância e da Juventude veda a exigência de aquisição de material escolar nos referidos estabelecimentos de ensino, sob pena da aplicação de multa no valor de R$ 500,00 por cada aluno que deixar de receber o material escolar e, ainda, do pagamento em dobro do valor exigido.

“Temos recebido inúmeras denúncias de pais e responsáveis de alunos dando conta de que, alguns gestores de colégios militares da PM vem efetuando cobrança para aquisição de material apostilado, em desrespeito à decisão da Justiça e às regras do Programa Nacional do Livro e Material Didático (PNLD), ao qual o governo do Amazonas aderiu em 2019. Estamos advertindo os gestores porque, confirmado o descumprimento, o Ministério Público vai solicitar ao Juízo da Vara da Infância e Juventude a aplicação da multa devida”, declarou a titular da 59ª PRODHED, atualmente respondendo também pela 55ª PORDHED, Delisa Olívia Ferreira.

Segundo a Promotora de Justiça, o Decreto nº 9.009/2017, que disciplina o PNLD, contém impedimento de ordem legal para a adoção de outro material apostilado para qualquer escola pública da rede estadual de ensino. E os pais e responsáveis não podem arcar com o encargo da aquisição de outro material escolar de alto custo.

“Se a escola considera inadequado o material escolar disponibilizado pelo Governo, deve buscar a sua readequação junto ao Ministério da Educação e da Seduc”, aponta a Promotora de Justiça.

O Ofício-Circular nº 001.2020-55PRODHED encaminhado aos gestores das nove unidades do CMPM estabelece o prazo de cinco dias para a prestação de informações sobre a exigência de aquisição de livro nos referidos colégios.

 

(*) Com informações da assessoria

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading