Manaus, 22 de abril de 2024
×
Manaus, 22 de abril de 2024

Mundo

Manifestantes de Hong Kong vão continuar a lutar

A lei da extradição destinava-se a permitir que as autoridades de Hong Kong extraditassem procurados pela Justiça para, por exemplo, a China continental.

Manifestantes de Hong Kong vão continuar a lutar

(Foto: JORGE SILVA/Direitos Reservados)

“Não à extradição para a China; não à brutalidade policial”: cartaz de protestos em Hong Kong

No final, a pressão da rua foi forte demais: a chefe do governo de Hong Kong, Carrie Lam, declarou em entrevista coletiva que o governo estava suspendendo a controversa lei da extradição, segundo ela levando em consideração as preocupações e dúvidas da população.

Centenas de milhares de pessoas estão indo às ruas de Hong Kong para se manifestarem contra o projeto de lei – ATHIT PERAWONGMETHA

Até o anúncio, as ruas de Hong Kong haviam voltado a ficar em silêncio. O governo diz agora querer falar com grupos da sociedade civil e apresentar um plano de ação. Não há prazo mais para aprovar a lei.

A lei da extradição destinava-se a permitir que as autoridades de Hong Kong extraditassem procurados pela Justiça para, por exemplo, a China continental. E isso apesar de o poder judicial chinês não ser independente. Temia-se que a medida silenciasse os críticos de Pequim – enfraquecendo ainda mais o princípio “um país, dois sistemas”.

Centenas de milhares de pessoas estão indo às ruas de Hong Kong para se manifestarem contra o projeto de lei. Na quarta-feira, manifestantes entraram em choque com a polícia, que usou spray de pimenta e balas de borracha.

A decisão do governo de Hong Kong não vai resolver esta disputa, como mostram as marchas deste domingo (16/06).

O sentimento dos manifestantes é que a batalha ainda não acabou. Eles estão exigindo um pedido de desculpas pelo que consideram ser uma repressão excessivamente dura por parte da polícia e a libertação imediata dos ativistas já presos.

Eles querem também que os confrontos de quarta-feira não sejam mais chamados de “motins” – um crime punível com até vários anos de prisão sob a lei de Hong Kong.

Acima de tudo: os críticos da lei não querem ver a sua aprovação apenas adiada, querem que a legislação seja derrubada –  por todos juntos.

Veja também

Potências reduzem, mas modernizam arsenais nucleares, diz relatório

Quênia investiga paciente com suspeita de contaminação por ebola

Triplo atentado suicida mata pelo menos 30 pessoas na Nigéria

Os protestos continuam. É de esperar que a atmosfera nas ruas de Hong Kong se mantenha tensa nos próximos dias.

*O jornalista Philipp Bilsky escreve para o Departamento Ásia da Deutsche Welle.

 

(*) Com informações da Agência Brasil