Ricardo Salles vai à ofensiva contra garimpos para aliviar pressão por Amazônia - Amazonas1

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

28 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Ricardo Salles vai à ofensiva contra garimpos para aliviar pressão por Amazônia

A operação visa a desmantelar pontos de garimpo ilegal, abundantes na terra Munduruku. Sobrevoando a área é possível vê-los às centenas

Ricardo Salles vai à ofensiva contra garimpos para aliviar pressão por Amazônia
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobrevoou na quarta-feira (05) uma operação contra garimpo ilegal na terra indígena Munduruku, no Pará. Salles tenta emitir sinais que reduzam a pressão econômica e internacional à qual o governo brasileiro está submetido por causa de sua política ambiental.

Ele pretende estar em mais operações do tipo, sempre na Amazônia e levando consigo jornalistas. No momento há outras duas em estudo.

O Poder360 cobriu a ação in loco, a convite do ministério. Também viajaram ao local na comitiva de Salles profissionais de TV Bandeirantes, CNN Brasil e revista Veja.

Leia mais: Ipam derruba tese de que incêndios se concentram em áreas exploradas da Amazônia

Investidores internacionais e nacionais passaram a pressionar o governo para reforçar a preservação ambiental. Declaração de Salles em reunião ministerial realizada em abril teve repercussão negativa. O vídeo do encontro foi divulgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em inquérito aberto após a saída de Sergio Moro do governo.

Na ocasião, Salles afirmou que o governo deveria aproveitar o fato de a mídia estar focada na cobertura da pandemia de covid-19 para ir “passando a boiada” em temas “regulatórios”. Ele nega ter referido-se a práticas ilegais. Diz que defendia simplificar a desburocratizar normas.

“A presença do ministro do Meio Ambiente junto com sua equipe do Ibama é um recado claro de que não há qualquer tentativa nossa de impedir fiscalização”, disse Salles. “Nós somos muito cobrados na questão da fiscalização por uma visão errada de que tínhamos proibido a fiscalização”, declarou ele.

A operação visa a desmantelar pontos de garimpo ilegal, abundantes na terra Munduruku. Sobrevoando a área é possível vê-los às centenas.

Indígenas participam da extração irregular de ouro. O Ministério do Meio Ambiente estima que sejam retirados 700 kg do metal precioso da região mensalmente.

Essa produção é escoada por terra, ar e água. A Amazônia está em época da seca. O nível dos rios baixa e fica mais difícil para os garimpeiros navegarem.

Na ação, os agentes destruíram 10 escavadeiras hidráulicas, 1 trator florestal, 15 bombas d’água, 3 acampamentos, uma motosserra, 8 tanques de 1.000 litros –usados para armazenar combustíveis.

As escavadeiras, quando novas, custam centenas de milhares de reais. Os equipamentos são destruídos, em vez de confiscados, porque é impossível retirá-los da mata com a rapidez necessária.

O maquinário pesado costuma ser transportado de balsa pelo Rio Tapajós. Agentes do Ibama relataram que o preço desse frete seria por volta de R$ 8.000. A terra indígena é ligada ao município de Novo Progresso, mas a cidade mais próxima é Jacareacanga. Ambas no Pará.

Os agentes também apreenderam 2 celulares, documentos e anotações. Esse material deve ser encaminhado para outras autoridades, como Polícia Federal e Ministério Público, para ser investigado. Ainda, foi apreendida uma espingarda de caça.

De Brasílio ao cachimbo 

A comitiva decolou à 0h15 de quarta-feira (05) de Brasília, em avião da Força Aérea. Pousou 1h59 no Campo de Provas Brigadeiro Velloso, mais conhecido como Base Aérea do Cachimbo, na região da serra de mesmo nome. Fica no Pará, próximo à divisa com o Mato Grosso.

O local, idealizado no governo Getúlio Vargas e cuja 1ª pista foi inaugurada em 1954, fica a cerca de 400 km dos pontos de garimpo que seriam desmantelados mais tarde.

A base aérea tem cerca de 22 milhões de hectares, tamanho comparável ao do Estado do Sergipe. O tenente-coronel aviador Leonardo dos Passos de Araújo, comandante da instalação, cita outras atividades além da pista de pouso e decolagem, como testes de armamentos, realizados no local.

Anda-se de micro-ônibus entre as diferentes partes do Campo de Provas Brigadeiro Velloso. Em volta há a floresta. Existem cachoeiras nas proximidades. O cajueiro em frente ao refeitório está carregado com seus frutos quase vermelhos. Nos últimos dias tem sido comum a aparição de uma anta, que saboreia os cajus caídos do pé.

A área da Base do Cachimbo foi palco de acontecimentos notáveis. Em 2006, por exemplo, 2 aviões colidiram sobre a Floresta Amazônica. Um deles, da Gol, caiu e matou 154 pessoas. O outro, um jato menor, conseguiu se manter no ar e pousou na base.

Por volta das 4h, a comitiva de Salles se recolheu para dormir. Às 6h os primeiros a acordar começam a sair dos aposentos para o café da manhã.

Fiscais Armados e helicópteros 

A área de garimpo alvo da operação na Terra Indígena Munduruku fica a cerca de 400 km da base aérea. Os 3 helicópteros do Ibama precisaram ser reabastecidos duas vezes –uma na ida e outra na volta. O combustível foi levado por helicóptero da Força Aérea. Os reabastecimentos foram na mata.

Os veículos do instituto são arrendados. Têm os dizeres “Fundo Amazônia” grafados na lataria, mostrando a origem dos recursos para o arrendamento. “Uma operação dessas não custa menos de R$ 500 mil”, afirmou Salles.

O planejamento levou cerca de 1 mês, disse o diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olímpio Ferreira Magalhães. Agentes do Ibama e da Polícia Civil de Goiás estavam armados com rifles de precisão, espingardas calibre 12, lançadores de bombas de gás e outros equipamentos. Foram mobilizadas de 30 a 40 pessoas, incluindo quem fica no apoio sem participar diretamente da ação em campo, afirmou Olímpio.

“Se prevê sempre da situação extrema [troca de tiros, por exemplo] para a mais tranquila [não haver resistência]”, disse o diretor, oficial da reserva da Polícia Militar de São Paulo. Mesmo com planejamento, o que acontece na ação é imprevisível.

“Não temos exatamente a dimensão do que será encontrado porque a situação muda todo dia”, disse Salles antes de embarcar em Brasília.

Um agente armado do Ibama disse ao Poder360 que essa foi sua 3ª missão contra garimpo na terra Munduruku. Pela 1ª vez não houve confronto. Ele pediu anonimato.

As ações deste tipo na Amazônia têm sido realizadas em parceria com outros órgãos, como Forças Armadas. Neste ano são parte da Operação Verde Brasil 2.

O Ministério do Meio Ambiente aguarda o nascimento da Força Nacional Ambiental, que deve começar a ser organizada no ano que vem. Seria uma tropa armada que daria mais segurança às fiscalizações, reduzindo a necessidade de apoio de outras instituições.

A concentração na pista para decolagem foi com o sol avermelhado da manhã amazônica. Os helicópteros do Ibama partiram às 7h20, depois de os agentes receberem as instruções finais.

Existe 1 planejamento para esse tipo de missão, mas ele embute fatores imponderáveis. Se os garimpeiros sumirem no mato quando avistarem os agentes, há chance de atirarem escondidos? Há. Qual a chance? Ninguém sabe.

Os pilotos dos helicópteros precisam fazer suas máquinas voarem próximas umas das outras, e a baixas altitudes. Se 1 deles pousa para os agentes poderem inutilizar equipamentos encontrados os outros 2 se posicionam para cobrir quem está em solo.

Há vários “donos” das atividades de garimpo. É comum eles pintarem as identificações nas árvores para delimitar os locais dos quais se apropriaram para extrair ouro.

Prender suspeitos é impossível. Os helicópteros saem lotados da base aérea. Não há espaço para transportar prisioneiros. Às vezes dá para fazer algumas perguntas a quem está no local.

Os participantes consideraram a operação 1 sucesso. Não houve conflito, e foi possível destruir bastante equipamento. O 1º helicóptero retornou 17h30.

Ao ver o comandante da Base Aérea, 1 piloto demonstrou satisfação por ter dado tudo certo na operação de abastecimento dos helicópteros do Ibama.

“Claro que deu tudo certo! A gente planejou tanto!”, respondeu bem-humorado o comandante Passos.

Sobrevoos do ministro 

Salles foi às 8h51 acompanhado dos jornalistas. A viagem até o local da operação durou cerca de 2 horas. Por 30 minutos, sobrevoou a região.

Não era possível avistar garimpeiros. Eles fugiram ao notar a chegada dos agentes. Máquinas, tanques e instalações diversas usadas na atividade ilegal eram visíveis. Assim como a devastação causada pela extração do ouro.

O ministro queria pousar e ver de perto a ação dos agentes. O entendimento, porém, é que não havia como garantir a segurança.

O helicóptero do ministro precisou de apenas um reabastecimento. Foi em Jacareacanga, cidade mais próxima da área de garimpo fiscalizada.

Lá, ele falou com indígenas que protestavam contra a Operação Verde Brasil. Parte do garimpo ilegal da terra Munduruku é praticado por eles próprios.

A aglomeração acabou impedindo temporariamente a decolagem de 1 avião da FAB que havia pousado na cidade. Os helicópteros seguiram normalmente.

Salles costuma dizer que deve ser facultado aos índios se querem extrair minério ou ter produção agrícola em suas terras, por exemplo. Ele defende alterações nas regulações atuais para esses objetivos.

O governo enviou 1 projeto que regulamenta mineração em terras indígenas, mas a proposta não prosperou.

O ministro tem pouca simpatia pelas ONGs. No ano passado, uma das mais importantes do mundo, o Greenpeace, publicou vídeo sobre a devastação causada pelo garimpo na mesma terra indígena (53s):

Salles também esteve com o secretário de Meio Ambiente de Jacareacanga, Everton Sales da Silva.

“O município hoje vive da atividade aurífera, acho que 90% da população sobrevive disso, inclusive os indígenas. Não tem outra alternativa de vida”, disse Silva. Ele afirma que é impossível saber quantos garimpos ilegais existem na região.

Por volta das 14h30 o ministro estava de volta à base para almoçar.

O dia foi de vaivém de helicópteros no Campo de Provas Brigadeiro Velloso, mas o maior deles não saiu do chão. Um helicóptero da Marinha foi deslocado de Belém para levar jornalistas na visita.

Foi constatado, porém, que a máquina não tinha a autonomia nem a facilidade de abastecimento necessárias para ir até a área de garimpo. Faltou espaço. Os repórteres de texto do Poder360 e da revista Veja tiveram de permanecer na base. Foi dada preferência a quem produziria imagens.

A decolagem do retorno para Brasília estava estipulada para as 18h. Houve problemas técnicos no Embraer 135 Legacy usado no transporte. O avião saiu do chão às 19h36, e tocou o solo brasiliense 21h06.

 

 

(*) Com informações do Poder360

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading