MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Silêncio na CMM: apenas 5 vereadores se posicionam sobre gastos milionários

Além de Amom Mandel e Rodrigo Guedes, apenas os vereadores Raiff Matos, Kennedy e Capitão Carpê se posicionaram sobre o 'puxadinho' e o aluguel de picapes
Juliana Siqueira – Portal AM1
• Publicado em 18 de setembro de 2021 – 14:00
Silêncio na CMM: apenas 5 vereadores se posicionam sobre gastos milionários
Foto: Reprodução CMM

MANAUS, AM – Tirando os vereadores Amom Mandel (sem partido) e Rodrigo Guedes (PSC), somente mais três vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) se posicionaram sobre a construção do ‘puxadinho’ de R$ 32 milhões proposto pelo presidente da Casa Legislativa, David Reis (Avante), e sobre o aluguel de picapes para cada um.

A pretensão do parlamentar, que é aliado do prefeito David Almeida (Avante), era de construir um Anexo II da CMM, na área onde fica o estacionamento do órgão. A obra teria o custo exorbitante de R$ 31,9 milhões, mas foi barrada, ontem, pela Justiça Estadual, após ação popular ingressada por Amom e Rodrigo Guedes.

Somente nessa sexta-feira (17), alguns parlamentares da CMM resolveram se posicionar sobre o caso. Entre eles, está o vereador Raiff Matos (DC) que, por meio de nota divulgada nas redes sociais, afirmou que ele não tem necessidade de uma picape para usar em seu mandato, neste momento.

“Como vereador eleito e presidente da Comissão de Cultura e Patrimônio Histórico da Casa, declaro que, nesse momento, no meu mandato, não há necessidade desse ‘instrumento de trabalho’”, declarou Raiff Matos.

Leia mais: Barrado: Justiça manda suspender ‘puxadinho’ de R$ 32 milhões da CMM

Além dele, o vereador Kennedy Marques (PMN) também decidiu se posicionar sobre o assunto, que vem sendo debatido desde o início da semana, no mesmo dia que a Justiça barrou a licitação. Por meio de nota, ele afirma que não concorda com os gastos e que seu trabalho é na rua, portanto, não necessita de ampliação do seu gabinete.

“O trabalho que desenvolvo voltado à causa animal é realizado, quase que na sua totalidade, nas ruas da cidade, fazendo pouco uso do espaço físico do gabinete, não havendo necessidade de expansão; já tendo recursos necessários para desenvolvê-los”, disse.

Embora já tivesse deixado claro que é contra, Capitão Carpê (Republicanos) também se posicionou novamente sobre os gastos e, agora, a respeito da decisão judicial dessa sexta.

“Abri mão dessa possível regalia desde início por entender que o momento é inoportuno e nós temos muito mais prioridades na cidade de Manaus, a população como um todo também se pronunciou contra esses aluguéis”, publicou.

Os outros 36 parlamentares estão em silêncio desde a última sessão plenária, que ocorreu na quarta-feira (15). No início da semana, o assunto chegou a ser debatido em plenário, após o vereador Rodrigo Guedes se declarar contra, mas o diálogo se transformou em bate-boca entre os vereadores.

Leia mais: Vereadores trocam farpas para defender novo anexo de R$ 31 milhões

Diego Afonso; Elissandro Bessa; Lissandro Breval e Gloria Carratte defenderam a construção do anexo como uma prioridade para Manaus. Glória, inclusive, disse que as “futricas” geradas na Casa Legislativa são geradas pelos parlamentares homens. Além disso, ela disse ser favorável ao conforto oferecido na CMM aos vereadores, alegando que é da época em que os gabinetes eram de madeira no antigo prédio da CMM, na avenida 7 de Setembro, no Centro.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap