Manaus, 16 de abril de 2024
×
Manaus, 16 de abril de 2024

Brasil

Subsecretária da ONU pede investigação de genocídio indígena no Brasil

Ela reuniu informações durante a missão da ONU, para apurar casos de violência cometidos contra indígenas e outros grupos vulnerabilizados

Subsecretária da ONU pede investigação de genocídio indígena no Brasil

Brasil recebe missão da ONU para apurar genocídios indígena e negro. (Foto: Manuel Elías/UN)

Rio de Janeiro (RJ) – A subsecretária-geral das Nações Unidas e Assessora Especial para Prevenção do Genocídio, Alice Wairimu Nderitu, pediu investigação de genocídio contra populações indígenas no Brasil e que os responsáveis sejam punidos.

Ela reuniu informações durante a missão da ONU, encerrada nessa sexta-feira (12), para apurar casos de violência cometidos contra indígenas, afrodescendentes e outros grupos vulnerabilizados no Brasil.

Desde o dia 2 de maio, Alice visitou comunidades indígenas e quilombolas, se encontrou com representantes da sociedade civil e com autoridades governamentais.

A subsecretária-geral disse que apenas cortes nacionais e internacionais podem caracterizar as violações contra esses grupos como genocídio. A missão da ONU teve o objetivo de mapear as ocorrências, sugerir formas de prevenção e contenção dos problemas identificados.

“O crime de genocídio deveria ser investigado. O meu papel é apontar os problemas relacionados ao genocídio. Temos vários fatores de risco. Mas as decisões em relação às investigações cabem ao Brasil, que assinou a Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio. O meu papel é apenas mostrar os riscos, mas não os resolver”, disse.

Alice Wairimu entende que a vida das comunidades indígenas e quilombolas piorou nos últimos quatro anos, quando o país estava sob o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. Mas preferiu focar na questão sob um ponto de vista mais amplo, ao indicar que essas populações são historicamente vítimas de violências e negligência.

“Eu sei que na última administração, algumas políticas foram aceleradas. E as vidas das populações indígenas ficaram mais precárias do que eram antes. Mas não vamos esquecer o quão estrutural e profundo esse problema é. O Brasil deve lidar com os problemas das populações indígenas e afrodescendentes. E encontrar uma liderança que consiga garantir que essas pessoas tenham uma vida mais digna”, disse.

Durante a visita ao país, Alice Wairimu Nderitu se reuniu com representantes de instituições federais, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama); o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH); a Advocacia-Geral da União (AGU); a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Ministério Público Federal (MPF). E também se encontrou com as ministras Sônia Guajajara, dos Povos Indígenas; Anielle Franco, da Igualdade Racial, e Ana Moser, do Esporte.

(*) Com informações da Agência Brasil

LEIA MAIS: