Manaus, 25 de maio de 2024
×
Manaus, 25 de maio de 2024

Brasil

Sobe para 10 o número de mortes após temporais no RS; 21 pessoas estão desaparecidas

Enquanto parte das regiões Sudeste e Centro-Oeste enfrenta onda de calor, no Estado do Sul o risco é de elevado volume de chuva.

Sobe para 10 o número de mortes após temporais no RS; 21 pessoas estão desaparecidas

(Fotos: Reprodução/Reprodução/RBS TV)

Rio Grande do Sul – O número de mortes em razão dos fortes temporais que atingem o Rio Grande do Sul subiu para dez, de acordo com atualização divulgada no início da tarde da quarta-feira de feriado, 1º, pela Defesa Civil do Estado gaúcho. O número de desaparecidos também passou para 21.

Ao menos 104 municípios já relataram danos, segundo o último balanço.

Enquanto parte das regiões Sudeste e Centro-Oeste enfrenta onda de calor, no Estado do Sul o risco é de elevado volume de chuva.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o alerta de perigo para tempestades iniciado na segunda-feira, 29, permanece válido pelo menos até o início da noite de quinta-feira, 2.

Na terça-feira, 30, a Defesa Civil do Rio Grande do Sul já havia alertado para a possibilidade de a chuva passar de 300 milímetros em algumas áreas em um período de 24 horas.

Todos os rios continuam sendo monitorados. “Nos próximos dias, a preocupação se estenderá aos municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre, incluindo os rios Jacuí, Guaíba e Sinos, que também podem transbordar”, alertou o órgão estadual.

Por meio das redes sociais, os municípios também relatam os danos enfrentados, assim como situação de monitoramento dos rios

Em Encantado, onde há ao menos seis desaparecidos e uma pessoa morreu até o momento, a prefeitura fez um alerta: “A comunidade Jacarezinho precisa deixar suas residências imediatamente.”

A prefeitura de Teutônia também avisou para que moradores deixem a região onde há risco de deslizamento. “Setor de Engenharia recebeu alerta da Defesa Civil sobre alto risco de deslizamento de terra na Linha da Harmonia Alta, em virtude da quantidade de chuvas. Pessoas que estiverem na região devem sair imediatamente”, afirmou o município.

Em Paverama, onde duas mortes foram registradas até o momento, o município afirma que foi decretado estado de calamidade pública. “Duas pontes situadas na Rua Eugênio Faller, na Fazenda São José, estão interditadas por tempo indeterminado, sendo proibido o trânsito de quaisquer tipos de veículos”, alertou, por meio das redes sociais.

Já em Roca Sales, onde há registro de quatro pessoas desaparecidas até o momento, a preocupação é com elevação do Rio Taquari.

A prefeitura de Santa Cruz do Sul disse que as aulas na rede municipal permanecem suspensas até sexta-feira, 3. A medida abrange todas as escolas de ensino fundamental, da cidade e do interior. Já as escolas de Educação Infantil (Emeis) continuarão trabalhando em regime de plantão.

A orientação é para que os pais que não tiverem onde deixar seus filhos procurem atendimento nas creches do município.

Pedido de apoio do governo federal

Por meio das redes sociais, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), alertou anteriormente sobre a situação, pontuando o cenário até 3 de maio. Ele cita ainda que entrou em contato com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar de apoio do governo federal.

“Falei por telefone com o presidente Lula, que assegurou o apoio do governo federal neste momento crítico no RS. Tenho certeza que poderemos contar com essa união de esforços para o resgate da população afetada pelas chuvas, que é a nossa prioridade absoluta nesse momento”, disse o governador.

Apoio da FAB

A Força Aérea Brasileira (FAB) disse que foi acionada na noite da terça-feira para auxiliar no resgate dos atingidos pelas enchentes que assolam a população da região de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. “Para ajudar na missão, a FAB colocou à disposição dois helicópteros H-60 Black Hawk, do Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (5°/8° GAV), lotado na Base Aérea de Santa Maria (BASM)”, disse.

Governo do Estado de SP participa dos trabalhos no RS

O Governo do Estado de São Paulo afirmou que enviou na manhã desta quarta-feira agentes da Defesa Civil estadual em apoio ao Estado do Rio Grande do Sul. Entre eles há também um geólogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

“A equipe tem como destino o município de Lajeado, localizado próximo a Rio Taquari. Desde terça-feira, o Estado gaúcho enfrenta chuvas extremas, com acumulados que superam os 300 mm em um período de 24 horas”, disse o órgão estadual.

Os profissionais vão colaborar com a coordenação de abrigos emergências, logística humanitária, geoprocessamento de dados entre outras ações.

Rio Grande do Sul registrou 298 mil raios na segunda-feira

Ainda na manhã de terça-feira, a MetSul Meteorologia emitiu informações sobre a quantidade raios sobre o Rio Grande do Sul: foram 298 mil registros ao longo da segunda-feira. O alerta para a incidência de raios permanece até quinta-feira.

Doações

A Defesa Civil do Estado gaúcho afirma que já está apoiando alguns municípios com entrega de itens de ajuda humanitária. Também há informações sobre pedidos de doações por parte das próprias cidades afetadas.

Previsão do tempo para Porto Alegre:

Quarta-feira: entre 19ºC e 22ºC;

Quinta-feira: 18ºC e 22ºC;

Sexta-feira: 18ºC e 19ºC;

Sábado: 19ºC e 22ºC;

Domingo: 20ºC e 26ºC.

Conforme a empresa de meteorologia Meteoblue, há previsão de chuva para todos os dias.

Veja medidas que devem ser adotadas diante de fortes temporais:

– Adotar medidas preventivas como permanecer em casa, se puder;

– Evitar atravessar áreas alagadas ou inundadas;

– Em caso de rajadas de vento, não se abrigar debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas, e não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda;

– Se possível, desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia;

– Procurar prestar auxílio a pessoas vulneráveis (idosos, pessoas doentes ou com dificuldade de mobilidade);

– Se você morar em áreas consideradas de risco, procurar a Defesa Civil da cidade para saber quais as medidas devem ser adotadas;

– Em caso de emergência, ligar para a Brigada Militar (telefone 190), Defesa Civil (telefone 199) ou o Corpo de Bombeiros Militar (telefone 193).

 

(*) Por Renata Okumura, Estadão Conteúdo
LEIA MAIS: