MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Vereador de Itacoatiara diz que sofre ameaças de morte dos aliados do prefeito

Parlamentar tem denunciado irregularidades cometidas na gestão do prefeito Mário Abrahim, desde o início do ano, e agora sofre ameaça de morte
Juliana Siqueira – Portal AM1
• Publicado em 20 de setembro de 2021 – 18:00
Vereador de Itacoatiara que havia sido cassado resgata mandato
Foto: Reprodução/Facebook

Manaus, AM – O vereador de Itacoatiara, Robson Siqueira (PV), declarou, por meio das redes sociais, que está sofrendo ameaças de adversários políticos aliados do atual prefeito Mário Abrahim (PSC). O parlamentar tem denunciado irregularidades cometidas na administração do gestor, desde o início do ano, e agora sofre ameaça de morte, além de correr o risco de ter o mandato cassado.

“Quero aqui falar com meus amigos policiais militares de Itacoatiara e de Manaus, que eu não tenho uma pessoa que me ameace, a não ser as ameaças políticas que eu tenho recebido, principalmente no dia de hoje, partindo, inclusive, de alguns vereadores do nosso município”, disse o vereador, durante transmissão ao vivo na sua página do Facebook.

“Eu estou sendo ameaçado, minha família está sendo ameaçada, eu tenho provas no celular, inclusive, no Facebook, de comentários me ameaçando. Inclusive um apoiador do seu Mário Abrahim, essa semana, falou para um grande amigo meu se eu não tinha medo de uma bala perdida. Medo eu tenho, lógico, sou um ser humano, eu morro como qualquer pessoa”, continuou.

Leia mais: Vereador acusa prefeito de Itacoatiara de emprestar respiradores para Coari

Robson Siqueira vem denunciando diversas irregularidades na gestão de Mário Abrahim, entre elas, a demissão em massa de profissionais de saúde, nomeação de parentes na prefeitura, fraude em processos de licitação, funcionários fantasmas, entre outros.

“Cheguei a um nível em que eu quero comunicar a vocês que estou sendo ameaçado de morte por algumas pessoas envolvidas com esse prefeito corrupto, família dele é toda envolvida com corrupção, a grande maioria porque são coniventes”, disse.

Além de acusações contra o prefeito, o parlamentar também denuncia que os demais vereadores se calam em relação às irregularidades porque têm parentes empregados na Prefeitura de Itacoatiara, numa espécie de acordo.

“Muitos vereadores, hoje, cometem o crime de prevaricação e isso dá cassação de mandato [..] ver as coisas acontecendo e ficar calado porque têm parentes empregados na prefeitura. Quero dizer aos senhores que eu não tenho medo. Já pensei muito em largar esse mandato, porque eu me conheço, não sou conivente com esse tipo de, me desculpe a palavra, palhaçada que acontece. Por isso eu vou até o fim contra a corrupção!”, disse.

“Se alguma coisa acontecer com a minha pessoa, é alguém de lá dessa gestão, alguém vincula a um dos vereadores”, disse o vereador.

Cassação

Vale destacar que o vereador Robson está sendo alvo de um processo de cassação, que já dura cerca de três meses na Câmara Municipal de Itacoatiara, por acúmulo de cargos públicos. Na ação, consta que o parlamentar, além de vereador, é médico na Prefeitura de Silves e sargento na Polícia Militar do Amazonas.

Leia mais: Vereador é denunciado por acúmulo de cargos em Itacoatiara e em Silves

Porém, na transmissão ao vivo, o vereador aproveitou para falar sobre o assunto. Segundo ele, ele é policial sim, já está na reserva. Ele afirma que, de fato, trabalha como segurança em uma Unidade de Pronta Atendimento (UPA) em Silves, mas é um ramo privado, e a própria Secretaria de Saúde teria confirmado a informação.

“Eu não tenho apego nenhum a cargo público. Tenho a função médica já há algum tempo, tenho também a função de policial militar, também tenho a função hoje de vereador. Como policial militar, como disse anteriormente, já estou na reserva e esse cargo não conta como público. Pela UPA, a própria Secretaria de Estado de Saúde enviou para a comissão processante um documento dizendo que eu não sou funcionário daquela secretaria e presto serviço terceirizado para a UPA. Como vereador, isso não conta como cargo público”, disse.

De acordo com o parlamentar, são os adversários políticos que estão tentando cassar o seu mandato. “O fato de isso não contar como cargo público, me sobrou os dois cargos de Silves […] Porém, existe uma motivação política para me cassar, onde estão, inclusive, distorcendo o que é a lei”, afirmou o vereador.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap