Mototaxistas cobram Prefeitura de Manaus após colega morrer atropelado por ‘Amarelinho’

Deusimar foi atropelado por um ônibus "Amarelinho" que trafegava na contramão, na zona Leste
Gabriela Alves – Portal AM1
Publicado em 25/01/2022 16:24

MANAUS, AM – Mototaxistas fecharam a rotatória Bola do Produtor, na zona Leste de Manaus, na tarde desta terça-feira (25), em manifestação pela morte do mototaxista Deusimar Pereira Holanda, 49. Ele foi atropelado por um ônibus “amarelinho” que trafegava na contramão, no sábado (22).

Durante a manhã, após a confirmação da morte de Deusimar, a categoria se reuniu na frente do Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo e cobrou justiça pela vítima. Já durante a tarde, eles fizeram a manifestação e cobraram a Prefeitura de Manaus quanto à fiscalização do transporte alternativo.

“O poder público não faz nada. Sempre foi esse problema. […] Eles matam pessoas pela cidade e a prefeitura não faz nada. A prefeitura tem que tomar uma atitude, atitude de fiscalizar. ‘Botar’ pessoas padronizadas para trabalhar. Ter mais responsabilidade com a categoria”, disse um dos mototaxistas.

Saiba mais: Morre mototaxista que foi atropelado por ‘Amarelinho’ em Manaus

O vereador Rodrigo Guedes (PSC) também participou da manifestação e acusou a prefeitura de “omissão” devido à falta de organização no sistema de transporte alternativo, mesmo em meio a diversas denúncias de irregularidades. O vereador já solicitou do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) o cancelamento da concessão do motorista que causou o grave acidente.

“Uma vida foi perdida pela omissão da Prefeitura de Manaus, pela omissão do poder público municipal que permite que os motoristas dos ‘amarelinhos’ façam o que bem entendam no trânsito aqui na zona Leste de Manaus. […] Inclusive, com denúncias gravíssimas. […] prefeito, secretário, coloquem ordem. Por favor, pessoas estão morrendo por conta dessa omissão criminosa da Prefeitura de Manaus”, afirmou Guedes.

Veja

Sem licitação

Manaus possui cerca de 250 micro-ônibus alternativos em atividade que atuam em regime de contratos temporários, sem licitação. A promessa de organizar o modal já é antiga, mas até a gestão de David Almeida, nada foi feito. No ano passado, o diretor-presidente do IMMU, Paulo Henrique Martins, chegou a dizer que a licitação seria realizada, mas não houve progresso.

Veja também: Prestes a renovar contratos, “Amarelinhos” seguem sendo alvos de reclamações em Manaus

Após a morte de Deusimar, o IMMU informou que o caso deve ser devidamente investigado. Segundo a assessoria, o diretor-presidente da autarquia teria ficado indignado com o desrespeito e a irresponsabilidade do condutor do micro-ônibus.

David Reis

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS