Manaus, 21 de junho de 2024
×
Manaus, 21 de junho de 2024

Destaques

Aos 86 anos, morre o escritor espanhol Juan Goytisolo

Aos 86 anos, morre o escritor espanhol Juan Goytisolo

O escritor estava com a saúde debilitada e foi internado algumas vezes ao longo dos últimos meses. Goytisolo estava em Marrakesh, no Marrocos. (Foto: Reprodução/ Internet)

O escritor espanhol Juan Goytisolo morreu neste domingo (4), por “causas naturais”, de acordo com informações do Consulado Espanhol em Casablanca. O escritor, que tinha 86 anos, estava com a saúde debilitada, tendo sido internado algumas vezes ao longo dos últimos meses. Goytisolo estava em Marrakesh, em Marrocos, onde morava desde 1997, e será enterrado nos próximos dias no país africano.

Considerado um dos maiores escritores espanhóis do século XX, Goytisolo ganhou o Prêmio Cervantes em 2014, seis anos após se despedir das novelas. Antes disso, ele já tinha conquistado o Prêmio de Literatura Latinoamericana e do Caribe Juan Rulfo, e o Prêmio Nacional das Letras Espanholas.

Irmão de escritores politicamente comprometidos, o poeta José Agustín Goytisolo e o narrador Luis Goytisolo, Juan Goytisolo estreou na literatura no pós-guerra, com a novela “Juegos de manos” (1954). Na espanha, chegou a ter uma novela proibida pelo governo de Franco, que foi publicada no México em 1966 com o título “Señas de identidad”.

Parte da obra de Goytisolo estava diretamente relacionada a fatos de sua vida, como a infância, a relação com escritora francesa Monique Lange, com quem foi casado, e o momento em que assumiu a sua homossexualidade (o escritor se mudou para Marrocos com a família do ex-companheiro Abdelhadi). Nos anos 1980, lançou dois livros autobiográficos: “Coto vedado” e “En los reinos de taifa”. Mas o escritor também brilhava na abordagem social e política, como em “Reivindicación del conde don Julián” e na série de reportagens sobre Saravejo, durante a guerra dos balcãs. Em março de 2015, o autor entregou um livro inédito à editora Balcells com a orientação de que ele seja publicado 10 anos após sua morte.

 Fonte: O Globo