Carol Santiago conquista o primeiro ouro do Campeonato Mundial de natação paralímpica, em Portugal

Pernambucana foi a mais rápida nos 100m borboleta da classe S12 na manhã deste domingo, primeiro dia de competição.
DA REDAÇÃO – PORTAL AM1
Publicado em 12/06/2022 18:20
Divulgação

A pernambucana Maria Carolina Santiago conquistou a medalha de ouro nos 100m borboleta da classe S12, nesta manhã no Campeonato Mundial de natação paralímpica. A competição começou neste domingo, 12, no Complexo de Piscinas Olímpicas de Funchal, na Ilha da Madeira, em Portugal, e reúne aproximadamente 600 atletas de 59 países até o próximo sábado sábado (18).

Leia mais: Integrantes da Seleção Amazonense de Vôlei, conquistam medalha em campeonato brasileiro

O Brasil se faz presente com 29 nadadores, dezesseis dos quais nadaram neste dia inaugural. 

A prova de Carol foi a única a premiar na sessão matutina da competição. As demais foram classificatórias. Destes, 12 garantiram vaga na final, a partir das 13h (de Brasília), com transmissão ao vivo pelos canais do IPC no Facebbok e no Youtube. 

De acordo com a programação, a maior parte das provas que valerão medalhas serão realizadas na sessão vespertina, com algumas exceções. Os 100m borboleta foi a primeira delas.

Foto: Ale Cabral/CPB

Carol cravou 1min07s00, apenas 17 centésimos à frente da italiana Alessia Berra, que ficou com a prata. A espanhola Maria Delgado Nadal terminou com o bronze (1min09s00). A brasileira Lucilene Sousa foi a quarta colocada com 1min10s93.

“Foi muito emocionante, para mim seria muito importante vir e conseguir fazer meus melhores tempos. Meu técnico [Leonardo Tomasello] disse: ‘Deixe tudo na piscina, não saia de lá achando que poderia fazer alguma coisa diferente’. Eu foquei em todos os momentos, e deu certo”, comentou Carol, 36, que tem a síndrome de Morning Glory, alteração congênita na retina que reduz o campo de visão. 

Esta foi uma das raras provas em que Carol não subiu ao pódio nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, no ano passado. Na ocasião, ela conquistou cinco medalhas, sendo três ouros, uma prata e um bronze. Porém, passou batido nos 100m borboleta. 

https://twitter.com/cpboficial/status/1535913366820102144?s=20&t=5_EaBqp3-cRjBd7lYGHzEA

“Fiquei fora do pódio lá em Tóquio e eu tinha que me entregar um melhor resultado, e nadei para o melhor da vida, estou bem satisfeita”, comentou.  

Carol pretende disputar sete provas em Funchal, e na sessão da tarde deste domingo volta à piscina para os 100m costas, evento do qual conquistou a medalha de bronze no Japão. Além disso, ela irá para os 50m livre, 100m livre, 100m peito e dois revezamentos. 

https://twitter.com/cpboficial/status/1535961522291326976?s=20&t=5_EaBqp3-cRjBd7lYGHzEA

A final dos 100m costas será 16h (de Brasília), a penúltima oportunidade de medalhas do Brasil neste domingo. O último brasileiro a lutar por um lugar no pódio é Phelipe Rodrigues, nos 50m livre da classe S10. Ele avançou com o terceiro melhor tempo ao vencer sua bateria com 24s50, atrás do australiano Rowan Crothers (23s68) e do italiano Stefano Raimondi (24s33).

“Fiz um tempo de treino, para as finais eu vou estar mais leve. Não consegui aplicar o que eu queria. Vamos para as cabeças, final é sempre final”, comentou o pernambucano, dono de nove medalhas em Jogos Paralímpicos.

Dos 12 brasileiros nas finais, três chegam com as melhores marcas. Joana Neves da classe S5 fez sua principal prova, os 50m livre, na qual foi campeã mundial em Glasgow 2015, nadou para 37s55. Sua prova será às 13h44.

Logo em seguida, às 13h49, nesta mesma prova desta mesma classe, porém, no masculino, o estreante Samuel Oliveira, o Samuka, de apenas 16 anos, larga da raia quatro com o tempo de 33s28. Ele terá de superar o favorito, Francesco Bocciardo, que fez a segunda melhor marca (33s94). 

Este é o primeiro Campeonato Mundial em 16 anos que o Brasil não conta com o paulista Daniel Dias. Ele se aposentou após os Jogos Paralímpicos de Tóquio, e Samuka é o representante do país nesta prova da classe S5. O recorde do campeonato ainda é de Daniel, com 31s83, alcançado na edição de Londres em 2019. 

Um fator importante neste Mundial é a ausência dos chineses. Eles dominaram a classe com grande polêmica, visto que eles eram da classe S6 no ciclo anterior, ou seja, com menor comprometimento físico-motor, inclusive com medalhas em Jogos Paralímpicos nesta classe. Mas após um processo conturbado de classificação funcional promovido pelo IPC (Comitê Paralímpico Internacional), eles caíram para a classe S5, a de Daniel, e agora também a de Samuka. 

Leia mais: Equipe amazonense de futebol para cegos representa estado em Campeonato Regional Centro-Norte

Bocciardo também foi S6 e, com a reclassificação, caiu para a S5. Na Ilha da Madeira, contudo, Samuka, não enfrentará os chineses, dado que a delegação do país não participa deste Mundial. 

Confira abaixo, a programação dos brasileiros nas finais deste domingo, 12 (horários de Brasília):

100 peito SB9
– Lucas Mozela (13h23)

100 borboleta S13
– Douglas Matera (13h34)

50 livre S5 
– Samuel Oliveira (13h44)
– Joana Neves (13h49)

200 livre S14
– Gabriel Bandeira (14h32)
– João Brutus (14h32)

50 livre S11
– Matheus Rheine (15h19)
– Wendell Belarmino (15h19)
– José Perdigão (reserva) (15h19)

50 peito SB3
– Patrícia Santos (15h35)
– Larissa Rodrigues (15h35)

100 costas S12
– Maria Carolina (16h00)

50 livre S10
– Phelipe Rodrigues (16h33)

(*) Com informações da assessoria do Comitê Paralímpico Brasileiro 

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS