Manaus, 29 de maio de 2024
×
Manaus, 29 de maio de 2024

Cenário

Ecobarreiras da Prefeitura de Manaus em igarapé não agradam Amom

Ao Portal AM1, a equipe de Amom Mandel afirma que ele acredita que as ecobarreiras foram instaladas de forma irregular e que "estão causando dano ao meio ambiente".

Ecobarreiras da Prefeitura de Manaus em igarapé não agradam Amom

(Foto: Dhyezo Lemos/ divulgação)

Manaus (AM) – As ecobarreiras [estruturas flutuantes], instaladas pela Prefeitura de Manaus nos igarapés que cortam a cidade, estão sendo alvo de críticas do deputado federal Amom Mandel (Cidadania). Amom, que é pré-candidato a prefeito, reclama das estruturas ao afirmar que as mesmas “estão impactando negativamente todo o ecossistema local”.

Segundo a sua assessoria, Amom pediu um “estudo de extensão” da instalação das estruturas, pois considera que danos estão sendo causados pela obra. Além disso, o parlamentar também pediu a retirada de pedra e barro, que estariam sendo usados nas ecobarreiras sem qualquer preocupação ecológica por parte da prefeitura.

“Nosso pedido não foi pra que retirasse as ecobarreiras, isso é falso. Temos exemplos de centenas de cidades brasileiras onde as ecobarreiras foram satisfatoriamente instaladas, e ali houve a preocupação de que fossem estruturas flutuantes, para que não interferissem no fluxo da água. Infelizmente, aqui em Manaus, a instalação dessas estruturas está ocorrendo de modo desordenado e sem qualquer preocupação ecológica”.

As ecobarreiras auxiliam no bloqueio dos resíduos descartados nos igarapés, principalmente, os plásticos, que poluem os rios e degradam o meio ambiente. A solicitação foi enviada por meio de um ofício à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Sustentabilidade e Mudança do Clima (Semmasclima).

Opinião

Enquanto o pré-candidato à prefeitura de Manaus, Amom Mandel questiona e manda ofícios para a retirada alegando que há um “desequilíbrio ecológico”, técnicos da Semmasclimma (Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Sustentabilidade e Mudança do Clima) defendem as instalações das estruturas flutuantes.

Os técnicos explicam que as alegações do deputado federal”não procedem” e que o processo de implantação “não afeta o curso d’água. A ecobarreira instalada no Igarapé dos Franceses, por exemplo, no trecho que margeia a avenida do Samba, ao lado do Sambódromo, é flutuante.

Ao Portal AM1, o ex-vereador e ex-deputado estadual Chico Preto (PL) criticou a atitude de Amom e destacou “falta de maturidade” do parlamentar, que, na sua opinião, busca criticar a gestão do prefeito David Almeida (Avante) de forma “infantil”.

Chico Preto, que é pré-candidato a vereador de Manaus nas eleições deste ano, gravou um vídeo no qual defende as ecobarreiras. Chico frisa que as atitudes de Mandel não são adequadas para quem tem intenção de comandar uma cidade como Manaus. “Lhe falta maturidade nos posicionamentos”.

“O Amom tem se revelado muito infantil, e isso deve ficar patente quando o período eleitoral chegar. A ecobarreira é uma alternativa moderna para minimizar o grave problema que enfrentamos com o desleixo das administrações municipais e principalmente com a falta de conscientização da sociedade. Claro que essa ferramenta não resolve o problema, além dessa ação, precisamos implementar ações que eduquem e incentivem o descarte correto do lixo”, pontou Chico.

O ex-vereador também aproveitou para alfinetar Amom. “Fazer politica apenas para questionar o trabalho dos atuais gestores do Executivo municipal é coisa do passado. Manaus precisa de soluções”, disse.

“Criticar sem propor soluções é coisa do passado e é surpreendente ver o Amom agindo assim. Isso é pura falta de maturidade. Como pai, digo aos meus filhos, com idades próximas a de Amom, que a crítica tem que ser feita sim, mas já apresentando uma solução. A sociedade quer ideias práticas e inteligentes para lidar com os problemas da nossa cidade”, complementou.

Para Chico Preto, Amom vive em um mundo “perfeito” e está mais preocupado em chegar ao poder. Em vez disso, ele deveria cumprir os mandatos para os quais foi eleito, e assim entregar benefícios para a população amazonense. Mas, demonstra uma “personalidade autoritária e insegura”.

“Vamos encarar a realidade do Amom nessa jornada. Ele pode até ser esperto, mas achar que ele vai resolver todos os problemas sérios da nossa cidade? Bem, isso parece um pouco exagerado, né? No mundo do Amom, parece que não existem buracos nas ruas, esgoto para serem tratados, ou preocupações com a segurança. Ele parece estar mais preocupado em chegar ao poder do que realmente cumprir os mandatos que já começou. Isso mostra uma personalidade autoritária e insegura. Não dá para resolver a segurança pública. Estou preocupado com o que uma administração dele poderia causar”, analisou Chico.

Uso associado de ecobarreiras

O Portal AM1  também conversou com a ambientalista Muriel Saragoussi que explicou sobre os benefícios das plataformas flutuantes na cidade de Manaus.

“As ecobarreiras são um processo interessante e auxiliam na limpeza dos igarapés. Mas elas não devem ser usadas isoladamente, e sim associadas a processos de recolhimento de lixo nas ruas e nos bairros (limpeza pública), de educação ambiental e de ações estratégicas, como poderia ter sido feito durante o período de seca extrema que tivemos no ano passado, quando os governos de estado e dos municípios poderiam ter recolhido toneladas de lixo nos barrancos e leitos secos dos rios e igarapé do estado”, explicou Muriel.

 Para que serve as ecobarreiras?

Após a retenção do lixo pelas ecobarreiras, a Prefeitura de Manaus realiza a coleta e destinação adequada, separando materiais recicláveis para encaminhamento às associações de catadores e envia o restante para o aterro sanitário municipal.

O uso de ecobarreiras para melhorar a qualidade das águas não é uma prática exclusiva de Manaus. Outras cidades como Porto Alegre e Rio de Janeiro já adotam esse sistema com resultados positivos.

Em Porto Alegre, por exemplo, mais de mil toneladas de resíduos foram retiradas do Arroio Dilúvio desde 2016. No Rio de Janeiro, ecobarreiras instaladas em pontos estratégicos, têm como estimativa a remoção mensal de 315 toneladas de lixo de rios e canais em Jacarepaguá, na zona Oeste da cidade. Esses exemplos demonstram a eficácia e a importância das ecobarreiras como ferramenta de preservação ambiental em áreas urbanas.

(*) Matéria atualizada para inserir posicionamento do deputado federal Amom Mandel, às 16h08 do dia 28/04/24

 

LEIA MAIS: