MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Justiça autoriza quebra de sigilo de ex-assessores de Carlos Bolsonaro e ex-esposa do presidente

Ao todo, 26 pessoas ligadas a Carlos Bolsonaro estão sendo investigadas pelo crime de "rachadinha" e nomeação de funcionários fantasmas
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 01 de setembro de 2021 – 18:23
Carlos Bolsonaro
Foto: Reprodução

RIO DE JANEIRO, RJ – O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu a quebra de sigilo de 26 pessoas ligadas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ao seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). A quebra dos sigilos foi autorizada pela Justiça do Rio de Janeiro no dia 24 de maio.

Além do vereador, o MP também pediu a quebra dos sigilos bancário e fiscal da ex-esposa do presidente, Ana Cristina Siqueira Valle. Ela é mãe de Renan Bolsonaro, quarto filho do presidente Bolsonaro.

Junto com Carlos e Ana Cristina, o MP também pediu a quebra de sigilo de dois irmãos da ex-esposa do presidente: o publicitário André Valle e a fisiculturista Andréa Valle. Além deles, também estão na lista o ex-companheiro de Andrea, Gilmar Marques, e a cunhada de Ana Cristina, Marta Valle. Ana Cristina Valle, atualmente, é assessora parlamentar da deputada federal Celina Leão (PP-DF), e reside em uma mansão de R$ 3,2 milhões na capital federal.

Leia mais: Justiça do Rio determina quebra dos sigilos bancário e fiscal de Carlos Bolsonaro

Rachadinha

Desde julho de 2019, o MP está investigando o grupo por suspeitas de devolução de salários, a famosa “rachadinha”, bem como a nomeação de supostos funcionários fantasmas no gabinete de Carlos Bolsonaro. Além das 26 pessoas, o MP também pediu a quebra dos sigilos bancários de sete empresas.

A suspeita de “rachadinha”, inclusive, não é nova na família Bolsonaro. O irmão do vereador, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), é investigado pelo crime, que teria sido cometido quando Flávio era vereador do Rio de Janeiro.

Posicionamentos

Em nota, Carlos Bolsonaro negou as irregularidades. Segundo ele, na falta de fatos novos, requentam os velhos que “não chegaram a lugar nenhum e trocam a embalagem para empurrar a narrativa adiante”. “Aos perdedores, frustrados por não ser o que sempre foram, restou apenas manipular e mentir. É o que mais acusam e o que mais fazem”, afirmou.

Já a defesa de Ana Cristina Valle afirmou que se manifestará apenas nos autos do processo, já que este tramita em segredo de justiça. “No entanto, não podemos deixar de repudiar o vazamento de informações, prática esta que tem se tornado cada vez mais frequente”.

(*) Com informações do UOL Brasil.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap