Manaus, 17 de abril de 2024
×
Manaus, 17 de abril de 2024

Entretenimento

Mesmo com recursos de 4 escolas contra, Viradouro se mantém campeã do Carnaval carioca

As outras cinco melhores colocadas foram, nessa ordem: Imperatriz Leopoldinense, Grande Rio, Salgueiro, Portela e Vila Isabel.

Mesmo com recursos de 4 escolas contra, Viradouro se mantém campeã do Carnaval carioca

(Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

Rio de Janeiro (RJ) – A escola de samba Unidos da Viradouro é a campeã do Carnaval do Rio de Janeiro de 2024. No ano em que a Marquês de Sapucaí comemora o 40º aniversário, a Viradouro teve o melhor desempenho entre as 12 escolas de samba carioca do Grupo Especial: 270 pontos. Foi o terceiro título da escola. O último havia sido em 2020.

 

viradouro-campeatania-regoagencia-brasil-2

Viradouro, escola campeã do Carnaval Rio 2024, na Cidade do Samba. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

Esse ano, havia uma tensão quanto ao resultado, antes mesmo da divulgação das notas. No início da apuração, Jorge Perlingeiro, presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), organizadora do Grupo Especial, disse que estava em análise recurso apresentado pela Grande Rio, Imperatriz, Mocidade e Beija-Flor contra a Viradouro.

Elas pediram para a escola ser punida com a perda de 0,5 ponto por uma irregularidade na comissão de frente. A alegação é que o limite de 15 integrantes visíveis durante a apresentação foi ultrapassado. Mas como a Viradouro ficou 0,7 ponto à frente da segunda colocada, nem o recurso, caso seja aprovado, poderá tirar o título da escola.

Com um samba que homenageia o culto ao vodum serpente, que nasceu na Costa ocidental da África, a Viradouro foi a última escola a entrar na Sapucaí na segunda-feira (12), o segundo dia de desfiles. As outras cinco melhores colocadas foram, nessa ordem: Imperatriz Leopoldinense, Grande Rio, Salgueiro, Portela e Vila Isabel. Elas se juntam a Viradouro para o Desfile das Campeãs, que acontece no Sambódromo, no próximo sábado (17). Com 264,9 pontos, a Porto da Pedra foi rebaixada e vai disputar a Série Ouro em 2025.

Disputa

viradouro-campeatania-regoagencia-brasil-3

Nervosismo na apuração das notas das escolas do Grupo Especial do carnaval do Rio, na Cidade do Samba. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

Os quesitos foram julgados na seguinte ordem: Alegorias e adereços, Bateria, Evolução, Mestre-sala e porta-bandeira, Comissão de frente, Enredo, Harmonia, Samba-enredo e Fantasias. Caso fosse necessário, o critério de desempate seria Fantasias, em sorteio definido horas antes da apuração.

Pela primeira vez, a apuração ocorreu na Cidade do Samba, região portuária do Rio. Até o ano passado, a contagem de votos era feita na Praça da Apoteose, na Marquês de Sapucaí. A mudança de local de apuração atendeu a um desejo do presidente da Liesa. Outra novidade esse ano, foi que a escola vencedora fez um cortejo na pista onde estão localizados os barracões.

Ao fim do primeiro quesito, Grande Rio, Vila Isabel e Viradouro largaram na frente. E mantiveram a posição, e a disputa pelo primeiro lugar, até o quarto quesito, Mestre-sala e porta-bandeira, quando a Vila Isabel perdeu alguns décimos e caiu para o quinto lugar. A Imperatriz passou a perseguir as líderes com 3 décimos a menos.

No quinto quesito, Enredo, a Grande Rio perdeu 3 décimos e a Viradouro, ainda intocada, assumiu a liderança isolada pela primeira vez. A escola de Niterói descolou 5 décimos para a Grande Rio no quesito Harmonia. No penúltimo quesito, Samba-enredo, a Viradouro abriu 7 décimos de vantagem para a Imperatriz, então segunda colocada. Na terceira nota do último quesito, Fantasias, um 10 garantiu finalmente o troféu para a escola.

Samba campeão

Liderada pelo carnavalesco Tarcísio Zanon, a escola de Niterói apresentou enredo com o título “Arroboboi, Dangbé”. O objetivo foi apresentar a força da mulher negra, por meio de um culto africano à cobra sagrada vodum. O samba foi escolhido em setembro do ano passado, composição de Claudio Mattos, Claudio Russo, Julio Alves, Thiago Meiners, Manolo, Anderson Lemos, Vinícius Xavier, Celino Dias, Bertolo e Marco Moreno.

A história remonta ao século XVIII em Benin, na Costa ocidental da África, onde o culto nasce por meio durante uma batalha, das guerreiras Mino, do reino Daomé. Elas foram iniciadas espiritualmente pelas sacerdotisas voduns, dinastia de mulheres escolhidas por Dangbé. Também foi contado como o culto chegou ao Brasil, em terreiros na Bahia, sob a liderança da sacerdotisa daomeana Ludovina Pessoa, que espalhou a fé nos voduns pelo território.

O carnavalesco Tarcisio Zanon celebrou a vitória. Ele fez menções aos outros dois títulos da escola, conquistados em 1997 e em 2020.

“É o meu segundo título pela Viradouro, uma escola que me fez amar carnaval. Mas a primeira vez que eu vi e me apaixonei pelo carnaval foi em 1997, quando eu vi aquele carro negro do [carnavalesco] Joãozinho Trinta. Eu tinha 9 anos de idade. E hoje estar aqui é um sonho realizado. Eu estou muito feliz”.

Zanon acompanhou a apuração ao lado de diversos patuás. Ao fim da apuração, ele deu uma explicação. “São presentes que eu ganhei das lideranças Jejes. Eu guardei comigo porque fico muito feliz de poder trazer um enredo tão importante e tão necessário, para desmistificar e desdemonizar essa religião tão linda”.

 

Confira o trecho inicial do samba:

“Eis o poder que rasteja na terra

Luz pra vencer essa guerra, a força do vodun

Rastro que abençoa Agojiê

Reza pra renascer, toque de Adarrum

Lealdade em brasa rubra, fogo em forma de mulher”.

 

viradouro-campeatania-regoagencia-brasil-4

Viradouro, escola campeã do Carnaval Rio 2024, na Cidade do Samba. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

 

(*) Com informações da Agência Brasil

LEIA MAIS: