MENU

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

‘Não esperem Carnaval e Festival de Parintins’, destacou Omar Aziz

Presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) afirmou em entrevista que 'pelo andar da carruagem' não vai ter Carnaval e Festival de Parintins
• Publicado em 10 de maio de 2021 – 11:17
Frases de Omar na CPI viralizam e ganham 'top 10'
Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

BRASÍLIA, DF – O presidente da CPI da Covid, o senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou em entrevista realizada nesse domingo (9), que a população não deve esperar por festas populares do Brasil. Entre elas, ele destacou o Carnaval 2022 e o Festival Folclórico de Parintins.

“Não esperem mais Carnaval no Rio de Janeiro, em São Paulo, boi-bumbá, Caprichoso e Garantido, não vai ter. Este ano não teve carnaval e, pelo andar da carruagem, da forma como o governo brasileiro está tratando essa doença, ano que vem não vai ter de novo”, afirmou o senador em entrevista ao historiador Marco Antônio Villa.

Leia mais: Bolsonaro afirma que decreto do direito de ir e vir está pronto

No Rio de Janeiro e em São Paulo, as escolas de samba já fazem um movimento para uma possível realização do Carnaval em 2022. Com enredos divulgados e até disputas de samba já foram marcadas antes do aumento de casos do novo coronavírus nas cidades. Em Parintins, as associações folclóricas ainda não se preparam para um suposto Festival, mas já tem os temas definidos.

Ainda na entrevista, o senador afirmou que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, será novamente convocado para prestar esclarecimentos à comissão. De acordo com ele, o depoimento de Queiroga, feito na última quarta-feira (6), foi uma ‘grande decepção’.

Omar destacou que as falas do ministro deixam claro que ele é contra o uso de cloroquina como tratamento precoce e de combate ao novo coronavírus. Entretanto, no depoimento de Queiroga, ele se recusou a falar sobre isso para ‘não magoar o chefe’.

“Se fosse o contrário, se (a cloroquina) pudesse ajudar, ele não jogaria para Conitec (órgão do ministério responsável pelos protocolos), diria que é favorável. É claro que ele é contra, mas não quer magoar o chefe. E com certeza será reconvocado”, ressaltou Aziz.

Bolsonaro é inimigo?

Durante a entrevista, o senador ainda afirmou que o presidente Jair Bolsonaro acredita que a aglomeração não tem ‘nada a ver’ em relação ao aumento de casos da Covid-19 no Brasil. Aziz também ressaltou a política de ‘imunidade de rebanho’, defendida por Bolsonaro.

Leia mais: Líder do governo diz que cloroquina não pode cair só nas costas do presidente

“Desde o primeiro momento ele defende que as pessoas têm que trabalhar.. Que, para ele, aglomeração não tem nada a ver, que ele defende imunidade de rebanho, que ele defende a cloroquina e ivermectina. Não mudou de opinião desde o primeiro dia até hoje”, disse.

O presidente da CPI ainda disse que a divulgação do uso da cloroquina e ivermectina é uma mentira. “Uma pessoa dessa, se você dá o medicamento e a pessoa vai a óbito é o mesmo que dar um tiro na pessoa”, destacou Aziz.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap