Weintraub compara ação do STF com a perseguição sofrida pelos judeus

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

4 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Weintraub compara ação do STF com a perseguição sofrida pelos judeus

Ministro da Educação disse ter crescido ouvindo histórias sobre a polícia invadindo casas de famílias perseguidas pelo regime.

Weintraub compara ação do STF com a perseguição sofrida pelos judeus
reprodução: uol/foto: edro Ladeira/Folhapress

Ao prestar solidariedade aos alvos de ação da Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira,27, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, comparou a operação com a perseguição contra os judeus pela Alemanha nazista. Ele se manifestou pelo Twitter.

De origem judaica, o auxiliar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que cresceu ouvindo histórias de perseguição à própria família e sobre a SS Totenkoptf (sic) que invadia casas de famílias perseguidas pelo Nazismo — a Totenkopf era uma das divisões do braço armado da SS, a Schutzstaffel, força militar do governo nazista.

“Nesse momento sombrio, digo apenas uma palavra aos irmãos que tiveram seus lares violados: LIBERDADE!”, escreveu ele.

A operação da Polícia Federal foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do Inquérito das Fake News. As investigações, até agora, apuram a disseminação e o financiamento de notícias falsas.

Entre os alvos estavam Luciano Hang, dono da Havan, e Edgar Gomes Corona, da rede de academias Smart Fit, além dos deputados federais Daniel Silveira (PSL-RJ), Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP), o blogueiro Allan dos Santos, do blog Terça Livre, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), e a bolsonarista Sara Winter.

Moraes autorizou busca e apreensão e vários deles denunciaram ter computadores e celulares levados pelos agentes.

 

(*) Com informações do Metrópoles

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias