Quase 20 anos depois, família de bebê que morreu em naufrágio será indenizada em R$ 265 mil

O acidente aconteceu em dezembro de 2002, quando o bebê de 11 meses viajava de Manaus para Belém para conhecer os avós
Da Redação – Portal AM1
Publicado em 04/06/2022 10:32
Foto: Divulgação

Manaus – Um naufrágio que ocorreu em 2002 teve o desfecho na última quarta-feira (2) pelas Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas. A Empresa de Navegação A R Transporte terá que pagar R$ 265 mil de indenização ao pai e mãe de um bebê de 11 meses que morreu afogado no naufrágio.

A família viajava de Manaus para Belém, em dezembro de 2002, mas alguns passageiros, entre eles, o bebê e a mãe, foram transferidos para outra embarcação em determinado trecho da viagem. Eles foram colocados em outro barco, que naufragou no Pará, próximo da Vila do Conde. De acordo com a ação, no naufrágio morreram 300 pessoas, entre elas a criança que viajava para conhecer avós e tios.

Os autores pediram indenização por danos morais e materiais após acidente durante viagem realizada. No processo que tramitou na 11.ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus, foi reconhecida a responsabilidade da empresa de navegação, sendo esta condenada a pagar valores, e em 2.º Grau a Primeira Câmara Cível reduziu o valor dos danos morais para R$ 265 mil.

Leia mais: Ministro do STF, Dias Toffoli recebe mais elevada honra do Judiciário do Amazonas

Com o trânsito em julgado desse Acórdão, a empresa ajuizou a Ação Rescisória, apontando violação à norma jurídica, pela aplicação da legislação sobre contratos de transporte, prevista no Código Civil de 2002, mas ainda não vigente à época dos fatos. E sustentou na sessão que se o julgamento ocorresse com base no Código Civil de 1916 – que vigorou até 11 de janeiro de 2003 – seria diferente, defendendo que a empresa não compunha cadeia serviço e que a embarcação do naufrágio pertencia a terceiros.

Já a defesa dos pais sustentou que a condenação se baseou em três fundamentos: teoria de risco de consumo, teoria do risco administrativo, além da citação do Código Civil de 2002, afirmando que, ainda que este último fosse retirado, restariam outros dois fundamentos, pelo que pediu a improcedência da ação.

Após sustentação oral pelas duas partes na sessão das Câmaras Reunidas, o relator apresentou seu voto, observando não haver complexidade maior na questão analisada.

“O acórdão rescindendo acha-se em perfeita conformidade com o ordenamento jurídico então vigente, na medida em que a responsabilidade objetiva reconhecida no voto condutor do acórdão impugnado encontra-se amparada pelo Código de Defesa do Consumidor, ao qual se submeteu o autor, por constituir o fornecimento de transporte aquaviário em modalidade de prestação de serviço devidamente reconhecida nos autos originários, o que por sua vez encontra suporte na previsão contida no artigo 14, caput, da mencionada lei consumerista”, afirma a ementa do acórdão.

Leia mais: Bebê de 1 ano morre engasgada com maçã em creche municipal e prefeitura decreta luto oficial

E em relação ao alegado erro de fato, em relação ao qual a empresa declarou que não integrava cadeia de consumo, o Acórdão afirma ser “necessário destacar a impossibilidade de rescindir o julgado com base em tal fundamento, na medida em que o acórdão rescindendo, expressamente se manifestou acerca dos fatos, adotando, para tanto, o seu livre convencimento motivado, pronunciando-se acerca das conclusões obtidas nos documentos juntados, inclusive aqueles trazidos pela empresa requerida”.

A decisão do colegiado foi unânime, no processo n.º 4003865-43.2021.8.04.0000, de relatoria do desembargador João Mauro Bessa.

(*) Com informações da assessoria

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS