MENU

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

STF nega pedido do PT para que Câmara analise impeachment de Bolsonaro

O documento afirmou que o presidente da Câmara, Arthur Lira, se recusa a analisar os pedidos de impeachment contra o presidente
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 21 de julho de 2021 – 17:01
Foto: Agência Brasil

BRASÍLIA, DF – Nesta quarta-feira (21), a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido do Partido dos Trabalhadores (PT) para que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, comece a analisar uma ação movida por eles, que pede o impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

A ministra afirmou que para conceder o pedido feito pelo PT, ocasionaria um princípio de separação entre os Poderes. “O juízo de conveniência e de oportunidade do processo de impeachment é reserva da autoridade legislativa, após a demonstração da presença de requisitos formais”, disse.

O documento assinado pelo ex-candidato à Presidência da República, Fernando Haddad e pelo deputado federal Rui Falcão. Nele, os políticos se referiam a um pedido de saída do presidente Bolsonaro, o qual foi assinado por 158 pessoas e protocolado em maio de 2020.

Leia mais: Lira nega impeachment de Bolsonaro e pede que sociedade seja democrática

Além disso, o documento ainda afirmou que Arthur Lira se recusa a analisar mais de 120 pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

‘Não há fato que justifique’, diz Lira sobre impeachment

Em entrevista à Jovem Pan, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou que não pretende abrir um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Pressionado pela oposição, Lira apontou que o Brasil precisa discutir política com seriedade.

Ele ainda declarou que para ser feito um processo de impeachment, precisa ocorrer uma série de circunstâncias, o que não está acontecendo no Brasil. “Quero deixar claro que não podemos institucionalizar o impeachment no Brasil. A gente tem que aprender a discutir com seriedade, o Brasil não pode ser instabilizado politicamente a cada presidente que é eleito”, disse.

(*) Com informações da Uol

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap