MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Lira nega impeachment de Bolsonaro e pede que sociedade seja democrática

Lira, presidente da Câmara, já havia afirmado que não há fatos contra o presidente Bolsonaro para justificar um pedido de impeachment
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 14 de julho de 2021 – 10:02
Foto: Luis Macedo / Agência Câmara

BRASÍLIA, DF – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), voltou a afirmar que o impeachment é uma decisão política e negou ser só sua a responsabilidade por abrir um processo para afastar o presidente da República.

Lira deu as declarações ao chegar à Câmara dos Deputados nessa terça-feira (13). Ele foi questionado sobre a possível rejeição dos mais de 120 pedidos de impeachment já apresentados contra Jair Bolsonaro (sem partido). “Essa é uma decisão política. Você, neste momento, tem que trabalhar mais para pôr água na fervura do que para botar querosene”, afirmou.

“E esse assunto, já estou cansado de dizer e repetir. Eu não posso fazer esse impeachment sozinho, erra quem pensa que a responsabilidade é só minha. Ela é uma somatória de características que não se configuram.”

Leia mais: ‘Não há nenhum fato que justifique’, diz Lira sobre pedidos de impeachment

Lira disse ainda estar trabalhando para manter o Brasil estável e para votar reformas estruturantes. “Nós temos que nos acostumar a ter um processo democrático. Nós defendemos eleições em 2022”, ressaltou.

O presidente da Câmara voltou a citar a possibilidade de votar o semipresidencialismo já para valer em 2026, “como uma forma de você estabilizar mais o processo político dentro do Congresso Nacional”.

O deputado foi questionado também sobre o voto impresso e disse que a análise será feita pelos membros da comissão especial que aprecia o mérito da PEC (proposta de emenda à Constituição) que trata do tema. A relatoria está a cargo do deputado Filipe Barros (PSL-PR).

“Eu venho colocando de uma maneira bem prática. A Câmara já votou uma PEC dessa em 2015. Não teria necessidade de a Câmara passar por isso de novo. A PEC está no Senado desde 2015, uma que prevê esse voto auditável e impresso”, afirmou. “Então, se não houver condição de o Senado votar lá a PEC que está desde 2015, não sei que diferença faria.”

As declarações ocorrem em meio a ameaças de Bolsonaro envolvendo a realização das eleições de 2022. Ele afirma que o pleito pode não ocorrer caso não exista um sistema eleitoral confiável –segundo ele, o voto impresso.

Leia mais: Após crise de soluço, Bolsonaro é internado para exames em Brasília

“Eleições no ano que vem serão limpas. Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições”, disse o presidente na última quinta-feira (8), em frente ao Palácio da Alvorada.

A principal estratégia do presidente é questionar a segurança das urnas eletrônicas, sistema usado desde 1996 e considerado eficiente e confiável por autoridades e especialistas no país.

O próprio Bolsonaro foi eleito para o Legislativo usando o sistema em diferentes ocasiões, assim como venceu o pleito para o Palácio do Planalto em 2018 da mesma forma.

(*) Com informações da Folhapress

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais:Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap