MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Trio é detido por aplicar golpe milionário em mais de 300 vítimas em Manaus

MP estima que mais de 300 vítimas foram afetadas pelo golpe aplicado pelo trio, chegando a um valor de R$ 5 milhões perdidos
Gabriela Alves e Lucas Rodrigues – Portal AM1
• Publicado em 20 de agosto de 2021 – 15:21
Golpe
Cooperativa Nosso Lar funciona no Parque 10. Foto: Reprodução/Google Maps

MANAUS, AM – Três pessoas foram presas nessa quinta-feira (20) por aplicarem golpe de venda de imóveis. Luiz Ramon de Souza, Rose Anne de Oliveira Souza e Franciane Gomes da Silva foram detidos preventivamente pela Polícia Civil no âmbito da Operação “Nosso Lar”, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Além dos quatro mandados de prisão, também foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão.

Luiz e Rose Anne seriam os sócios da Cooperativa Habitacional Nosso Lar, responsável pela venda dos imóveis. Já Franciane seria a funcionária da empresa, e segundo o delegado Marcelo Martins, da Delegacia Especializada em Proteção ao Consumidor (Decon), tinha uma atuação criminosa no esquema.

Entretanto, após o compromisso firmado, os compradores não tinham acesso aos imóveis e não viam avanços nos empreendimentos. Segundo eles, Luiz, Rose Anne e Franciane sumiam, sem dar qualquer retorno. Segundo o promotor Márcio Pereira de Mello, da 8ª Promotoria de Justiça do Ministério Público, a estimativa é que o prejuízo esteja na casa de R$ 5 milhões, com mais de 300 vítimas prejudicadas.

Leia mais: Quadrilha que aplicou golpes avaliados em R$ 200 mil é presa em Manaus

“Pelos levantamentos preliminares, havia uma estimativa de R$ 500 mil de prejuízo às vítimas. No entanto, o total de pessoas que caiu no golpe ainda é incontável”, apontou.

Luiz Ramon de Souza era um dos envolvidos no esquema, como sócio da Nosso Lar. Foto: Divulgação

De acordo com Marcelo Martins, o modo de operar dos sócios da Nosso Lar é quase o mesmo de todos os que aplicam esse tipo de golpe. Segundo ele, quem opera assim, quer dar um ar de legitimidade para a sua atuação, atraindo principalmente a população.

“Eles alugam um imóvel relativamente bonito, colocam um letreiro bonito, um símbolo bonito da empresa, se vestem bem, falam bem, e apresentam um produto que não parece ter nada de errado. Além disso, as pessoas, em vez de quererem buscar a matrícula de um imóvel, que é importante para a compra do terreno, querem fazer esse tipo de negócio sem quaisquer comprovações documentais”, afirmou.

A orientação do promotor Armando Gurgel é que aqueles que foram lesados pela Nosso Lar, e possuírem recursos, podem procurar um advogado, e quem não tiver, deve procurar a Defensoria Pública para entrar com uma ação cível e buscar o ressarcimento. “O MP está buscando os bloqueios patrimoniais para que essas pessoas possam ser ressarcidas, mas é necessário que as vítimas comprovem os pagamentos”, salientou.

Luiz, Rose Anne e Franciane devem ser indiciados pelos crimes de estelionato, crime contra relação de consumo, crime contra a economia popular, publicidade enganosa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O trio segue sob investigação, mas, segundo o MP, existem severos indícios de culpa – ainda não formada.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap