Manaus, 28 de fevereiro de 2024
×
Manaus, 28 de fevereiro de 2024

Cidades

Antônio Rosa Júnior destaca desafios do TCE-AM para o biênio 2024-2025

O secretário-geral administrativo enfatizou a importância de uma gestão humanizada, com foco no bem-estar dos servidores para potencializar a entrega de serviços à sociedade.

Antônio Rosa Júnior destaca desafios do TCE-AM para o biênio 2024-2025

TCE-AM (Foto: Filipe Jazz)

Manaus (AM) – Continuidade, inovação e melhoria. Estes foram alguns dos principais aspectos destacados pelo novo Secretário-geral de Administração do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Antônio Rosa Júnior, para o biênio 2024-2025, sob a liderança da conselheira-presidente Yara Lins.

Empossado em dezembro de 2023, o novo secretário da Seger terá como grande desafio apoiar a atividade fim da Corte de Contas amazonense, garantindo que o Controle Externo tenha todos os meios necessários para realizar suas auditorias e fiscalizações. Para que isso aconteça, Antônio Rosa Júnior foca no trabalho em horário integral.

Antônio Rosa Júnior ressaltou a trajetória da conselheira Yara e sua ascensão pela segunda vez à presidência do TCE-AM.

“A primeira mensagem que a chegada da conselheira Yara passa não só para os servidores, mas para a coletividade amazonense e do Brasil em geral, é que é possível. É possível que um servidor que ingresse nos quadros de serviço público, seja no órgão que for, possa chegar aos postos maiores da administração pública”, destacou.

Ao citar a representatividade da conselheira-presidente para as mulheres em específico, Antônio relembrou que a trajetória de Yara Amazônia Lins é de superação de preconceitos desde o início de sua carreira, em um período onde os direitos das mulheres eram ainda escassos na sociedade. Yara é servidora de carreira do TCE-AM há 48 anos.

“A gente sabe das dificuldades que as mulheres sofrem não só na administração pública, como também no setor privado, até porque vivemos ainda em uma sociedade machista. E uma coisa que me dá orgulho é ver como a hoje conselheira-presidente surge na Corte de Contas em um cenário ainda mais desfavorável, no contexto dos anos 70, e ela vem aos poucos galgando o posto que hoje, por talento e muito trabalho, alcança”, comentou o secretário-geral.

Antônio Rosa Júnior enfatizou a importância de uma gestão humanizada, destacando o foco no bem-estar dos servidores para potencializar a entrega de serviços à sociedade.

Quanto ao relacionamento com o público externo, o secretário destacou a prioridade na transparência e na abertura para a sociedade.

Segundo ele, o Tribunal de Contas é um órgão de fiscalização, mas é também um órgão que é fiscalizado pela sociedade. O controle social, que é o controle vindo do cidadão em cima do poder público, deve ser cada vez mais fomentado e incentivado.

(*) Com informações da assessoria

LEIA MAIS: