MP pede que Sara Winter pague R$ 1,3 milhão por divulgar dados pessoais de criança de 10 anos - Amazonas1
20 de outubro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

MP pede que Sara Winter pague R$ 1,3 milhão por divulgar dados pessoais de criança de 10 anos

A bolsonarista usou as redes sociais para divulgar o nome da criança e o hospital em Recife (PE) onde ela realizaria um procedimento para interromper a gestação

MP pede que Sara Winter pague R$ 1,3 milhão por divulgar dados pessoais de criança de 10 anos
Divulgação: Poder360

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MP-ES), por meio da Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de São Mateus, propôs uma ação contra a extremista Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter. A medida foi tomada após a bolsonarista divulgar dados da criança de 10 anos, vítima de estupro cometido pelo tio.

A ação pede que Sara Winter pague uma indenização de R$ 1,3 milhão pela exposição da menina. A bolsonarista usou as redes sociais para divulgar o nome da criança e o hospital em Recife (PE) onde ela realizaria um procedimento para interromper a gestação.

Leia mais: Menina de 10 anos que engravidou após estupro teve que sair do ES para fazer aborto legal

“A atitude ilícita teve como consequência uma manifestação em frente ao hospital pernambucano onde foi realizado o procedimento médico, quando a família da criança e os profissionais de saúde foram hostilizados”, diz trecho da manifestação do MP.

“Essa conduta está incluída em uma estratégia midiática de viés político-sensacionalista, que expõe a triste condição da criança de apenas 10 anos de idade”, completa.

Após a publicação de Sara Winter, manifestantes e religiosos foram ao hospital onde a menina realizou o aborto. A intenção era impedir o procedimento. Apesar do tumulto no local, a polícia e movimentos favoráveis à legalização do aborto conseguiram conter os protestantes.

Leia mais: Cerca de 2 mil meninas de 10 a 14 anos tiveram filhos após estupro no Brasil

“Ao dar publicidade, por meio da rede social Twitter, ao endereço do hospital onde se encontrava a criança vítima de violência sexual, Sara Winter desrespeitou a Constituição Federal, que tem foco na dignidade da pessoa humana”, diz o MP.

 

(*) Com informações do Metrópoles

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading