Manaus, 16 de junho de 2024
×
Manaus, 16 de junho de 2024

Cidades

Dono de pousada na Amazônia usava local para exploração sexual de menores

Segundo a polícia, empresário usava os rios para transportar outras menores de idade até o local onde ocorria exploração sexual.

Dono de pousada na Amazônia usava local para exploração sexual de menores

Wolfgang Brog, de 75 anos (Foto: Reprodução)

Manaus (AM) – O empresário alemão Wolfgang Brog, de 75 anos, está sendo procurado pela polícia por suspeita de integrar um esquema de exploração sexual no Amazonas. O caso ganhou repercussão nacional após uma das vítimas filmar os abuso sexual de Brog e denunciar o caso à polícia.

Ele é dono da pousada Cheiro do Mato, no município de Novo Airão, no meio da floresta amazônica, a aproximadamente cerca de 120 quilômetros da área urbana.

Conforme a Polícia Civil, o alemão usava os rios para transportar outras menores de idade até o local onde ocorriam os abusos. Há suspeita de comércio sexual, já que o local recebia muitos turistas.

A adolescente de 15 anos, que filmou o abuso sexual de Brog, foi aliciada pela própria mãe desde criança. A mulher foi presa em uma operação nacional, na última quinta-feira (18), que teve o apoio da Delegacia Especializada em proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA). O homem fugiu para a Alemanha.

De acordo com as investigações, ele foi casado com uma tia materna dela. As investigações da polícia apontam que a mãe, a tia e o alemão Wolfgang agiam juntos.

Alemão tinha fetiche

A vítima informou à polícia que os abusos ocorriam desde quando ela tinha 6 anos de idade e que o empresário alemão afirmava em público que tinha adotado a menina.

A vítima também contou que Wolfgang Brog tinha fetiches. “Ele mandava vestir umas roupas: que é saia, salto alto, algema. Ele botava em mim. Às vezes, ficava até dolorido da minha mão, ficava marca da algema”, destacou.

Além de algemas, o abusador usava correntes. A adolescente também foi obrigada a colocar piercings no rosto a mando do estuprador.

(*) Com informações do G1

LEIA MAIS: