Eduardo Bolsonaro diz Israel quer testar spray contra covid no Brasil devido miscigenação - Amazonas1
21 de abril de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Eduardo Bolsonaro diz Israel quer testar spray contra covid no Brasil devido miscigenação

Sem eficácia comprovada, medicamento está em fase inicial de estudo

Eduardo Bolsonaro diz Israel quer testar spray contra covid no Brasil devido miscigenação
Eduardo Bolsonaro acompanhou a delegação brasileira rumo a Israel (foto: Evaristo Sá/AFP)

Em viagem a Israel, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) voltou a citar o interesse do governo brasileiro no spray nasal israelense que trataria de doentes graves da covid-19.

Após a chegada ao Ministério das Relações Exteriores de Israel, em Jerusalém, como parte da delegação brasileira liderada pelo ministro do Exterior Ernesto Araújo, o filho do presidente Bolsonaro voltou a dizer que o objetivo principal da viagem é falar sobre esse medicamento, desenvolvido pelo Hospital Ichilov (Tel Aviv), mas ainda em fase inicial de testes.

Leia mais: Delegado Pablo articula testar spray israelense contra covid-19 no AM

“O objetivo da viagem aqui dar todo o suporte necessário ao embaixador Ernesto Araújo nessa missão que tem tudo a ver com a pandemia”, disse Eduardo Bolsonaro. “O novo medicamento, chamado EXO-CD24, tem tido uma eficiência perto de 100% nos primeiros testes com relação ao combate à Covid-19, e a nossa expectativa é de que nós possamos aqui traçar acordos de cooperação para trazer para o Brasil a fase 3, a chamada fase de teste”.

Segundo o deputado, os israelenses estariam interessados na participação brasileira porque “o Brasi é um povo famoso por ser miscigenado, com material genético bem diversificado”. Isso ajudaria na obtenção de testes mais amplos sobre a droga.

“As expectativas são altas, estamos aqui cumprindo essa agenda, mas tem outras laterais também, como operação tecnológica, áreas de telemedicina e agência espacial”, disse o filho do presidente.

O Hospital Ichilov anunciou há um mês estudos com o spray nasal EXO-CD24, desenvolvido pelo professor Nadir Arber. A droga, anunciada no começo de fevereiro, foi testada apenas em 30 voluntários em estado grave que estavam internados no Ichilov, até agora. Segundo o hospital, 29 pacientes se recuperaram em 3 a 5 dias.

Entusiasmado, o primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu, chegou a receber o professor em seu gabinete e chamou a droga de milagrosa. Ainda não há, no entanto, resultados publicados em artigo científico de fase 1.

O governo brasileiro quer assinar um acordo com o Ichilov para realizar as fases 2 e 3 dos testes com o medicamento no Brasil. Para isso, o presidente Jair Bolsonaro disse que iria em breve pedir à Anvisa uma análise para uso emergencial da droga no Brasil.

A delegação do Itamaraty e de outros ministérios desembarcou em Israel neste domingo (7). O primeiro compromisso foi na chancelaria israelense, em Jerusalém, onde o ministro Ernesto Araújo foi recebido pelo colega israelense Gabi Ashkenazi. Araújo deve ser recebido nesta segunda-feira (8) pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O grupo inclui, também, o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, o secretário de Pesquisa e Formação Científica do Ministério da Ciência e Tecnologia, Marcelo Morales, os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Hélio Lopes (PSL-RJ), e o Secretário Especial de Comunicação Social do Ministério das Comunicações, Fábio Wajngarten.

Antes da chegada do ministro brasileiro e do filho do presidente, o chanceler israelense, Gabi Ashkenazi, perguntou a assessores como pronunciar o sobrenome de Eduardo Bolsonaro. Todos os presentes estavam usando máscara, que é obrigatória em todos os prédios e locais públicos, em Israel. Quem não usa máscara recebe uma multa que pode chegar a 500 shekels (cerca de R$ 850).

Israel está na vanguarda internacional no combate ao novo vírus, tendo empreendido uma campanha de vacinação em massa. Dados indicam uma queda brusca no número de infecções e mortes após o avanço da campanha de imunização.

Ao longo do ano passado, a estratégia dos israelenses para controlar a disseminação da Covid-19 esteve baseada em regras de isolamento social, incluindo lockdowns quando houve avanço na contaminação, e no rastreamento de pessoas contaminadas.

Já no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro desde o início da pandemia critica medidas de distanciamento social e promove aglomerações.

A velocidade da vacinação no país esbarra na escassez de doses após o fracasso de negociações com laboratórios produtores, como a Pfizer.

(*) Com informações da Folhapress 

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

[email-subscribers-form id="1"]