Familiares fazem protesto em frente ao Fórum de Manaus por justiça para o engenheiro Flávio

O engenheiro Flávio Rodrigues foi assassinado no dia 29 de setembro de 2019
DA REDAÇÃO – PORTAL AM1
Publicado em 02/08/2022 11:39
Foto: Antônio Mendes

Manaus – Familiares e amigos do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, assassinado no dia 29 de setembro de 2019, realizaram uma manifestação pacífica, nesta terça-feira (02), em frente ao Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, situado na avenida Paraíba, na Zona Sul de Manaus.

Leia mais: Caso Flávio: juiz absolve Paola e Alejandro não vai a julgamento

Ao Portal AM1, a irmã do engenheiro, Marylee dos Santos, de 51 anos, relatou que, mesmo após quase três anos da morte de seu irmão, a família jamais esquecerá a brutalidade do crime, e sempre vai pedir justiça.  

Leia mais: DEHS faz reconstituição da morte do engenheiro Flávio em Manaus

“Mês que vem, faz 3 anos que meu irmão foi assassinado. E decidimos fazer essa manifestação pacífica pedindo justiça. Esperamos pela Justiça do Amazonas, não vamos nos calar nesse crime. Não vamos. Vamos continuar pedindo justiça!”, ressaltou Marylee.

Foto: Antônio Mendes/AM1

Relembre o caso

O engenheiro Flávio Rodrigues foi assassinado no dia 29 de setembro de 2019, durante uma festa na residência de Alejandro Molina Valeiko, enteado do ex-prefeito de Manaus, Arthur Neto, e filho de Elizabeth Valeiko.

Leia mais: Arthur Neto tem último mandato manchado pela Família Valeiko

Foto: Reprodução

De acordo com a polícia, Flávio foi assassinado a facadas e morreu na hora. A agressão teria sido durante uma discussão, que se iniciou quando o grupo consumia bebidas alcoólicas, entre Alejandro Valeiko e outros amigos dele.

Após as agressões com faca terem sido consumadas, ainda no apartamento de Valeiko, Flávio perdeu a vida.

O corpo do engenheiro foi jogado em um terreno, no bairro Tarumã. O local onde estava o corpo fica próximo à casa de Alejandro, segundo a perícia policial.

Segundo apontou as investigações, o policial militar lotado na Casa Civil, Elizeu da Paz de Souza, teria utilizado um carro da prefeitura para transportar o corpo e posteriormente abandonar no bairro Tarumã. À época, o policial era segurança de Alejandro.

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS