Manaus, 1 de março de 2024
×
Manaus, 1 de março de 2024

Cidades

Juiz nega pedido que obriga Ipaam a licenciar flutuantes no Tarumã-Açu

O juiz ainda levou em consideração que o caso já foi decidido no âmbito de outra ação ajuizada pelo MP-AM.

Juiz nega pedido que obriga Ipaam a licenciar flutuantes no Tarumã-Açu

(Foto: Dhyeizo Lemos/Semcom)

Manaus (AM) –  Em nova decisão, o juiz Moacir Pereira Batista, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), rejeitou o pedido da Associação dos Flutuantes do Rio Tarumã-Açu (Afluta) que pedia que o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) fosse obrigado a licenciar os flutuantes instalados no local.

A Associação buscava, junto ao Ipaam, licença para que os flutuantes continuassem as atividades exercidas no lago. A Marinha do Brasil exigiu licenças emitidas pelos órgãos ambientais em portaria publicada em 2022. A nova decisão foi proferida no dia 17 deste mês.

Atualmente, dos mais de 900 flutuantes que estão em funcionamento no lago, apenas 146 deles possuem licença “Nada a Opor” da Marinha do Brasil.

Ao rejeitar o pedido, o magistrado considerou que o Conselho Estadual dos Recursos Hídricos do Amazonas suspendeu, também em abril de 2022, a concessão de licenças a flutuantes por 24 meses, prazo que poderá ser prorrogado por igual período.

“No caso em questão, o autor tem conhecimento acerca da suspensão de emissão de licenças ambientais para construção e instalação de flutuantes na bacia do Tarumã, no âmbito administrativo”, ressaltou o juiz.

O juiz ainda levou em consideração que o caso já foi decidido no âmbito de outra ação, ajuizada pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM). No processo, o órgão já havia ordenado a retirada dos flutuantes sem licença.

No fim de junho, a Prefeitura de Manaus notificou donos de flutuantes para que eles retirassem os estabelecimentos do local no prazo de 30 dias. A Afluta recorreu ao TJAM para barrar a medida, mas teve o pedido rejeitado pela desembargadora Graça Figueiredo.