‘Não precisamos de cartinha’, dispara Bolsonaro sobre manifesto pela democracia

O presidente criticou a elaboração da Carta em Defesa da Democracia, que já recebeu o apoio de mais de 100 mil pessoas
Da Redação – Portal AM1
Publicado em 29/07/2022 05:00
Foto: Alan Santos/PR

São Paulo – O presidente Jair Bolsonaro criticou a elaboração da Carta em Defesa da Democracia, manifesto organizado na Faculdade de Direito da USP que reúne juristas, banqueiros e empresários e já conta com a adesão de mais de 100 mil pessoas.

“Vivemos num país democrático, defendemos a democracia, não precisamos de nenhuma cartinha para dizer que defendemos a democracia”, afirmou o chefe do Executivo na convenção do PP que selou o apoio do partido à sua candidatura à reeleição. O texto reúne juristas e teve também adesão de banqueiros e empresários.

“Dizer que queremos cumprir e respeitar a Constituição, não precisamos então de apoio ou sinalização de quem quer que seja para mostrar que nosso caminho é a democracia, a liberdade, respeito à Constituição”, seguiu Bolsonaro.

Leia mais: Divulgação de R$ 742 mil para promover convenção de Bolsonaro é alvo do TSE

Além de criticar o manifesto pela democracia, o chefe do Executivo, mais uma vez, não respondeu se entregará a faixa presidencial a outro político se perder as eleições em outubro. “Vou debater com o cara, né. Vou debater com o cara”, respondeu Bolsonaro, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao ser questionado sobre o foco da campanha nos próximos meses.

Convenção do PP

Filiado ao PL, o presidente Jair Bolsonaro disse que tem vontade de voltar para o PP, que oficializou nesta quarta-feira (27) o apoio a sua candidatura à reeleição. O chefe do Executivo se elegeu em 2018 pelo antigo PSL, hoje União Brasil, mas rompeu com o partido durante seu mandato e decidiu, em novembro do ano passado, ingressar na legenda comandada pelo ex-deputado federal Valdemar Costa Neto, preso no escândalo do Mensalão.

“Tenho duas notícias inéditas: primeiro para o (presidente da Câmara, Arthur) Lira: sou o deputado 514 nessa Casa. Outra para o Ciro: nesse clima, nesse ambiente – ainda bem que Valdemar não está aqui -, mas que dá vontade de voltar, dá”, declarou Bolsonaro, em seu discurso na convenção, que ocorreu no auditório Nereu Ramos, na Câmara.

Foto: Divulgação/Agência Brasil

“É com muito orgulho que estou aqui nessa Casa, mas o ambiente é daqueles do Partido Progressista, ao qual integrei por mais de 20 anos. Nós somos irmãos e como é bom voltar aqui, ver algumas caras que não são novas, mas são bastante familiares, e nos faz encher de orgulho de trazer boas recordações”, emendou o presidente.

Leia mais: PGR alega base jurídica para pedir arquivamento de denúncias da CPI da Covid contra Bolsonaro

Bolsonaro disse que o Executivo e o Legislativo trabalham em “perfeita harmonia” e afirmou que espera muitas realizações no ano que vem caso Lira seja reeleito presidente da Câmara. “Maioria do parlamento está afinada com Executivo e todos ganham com isso”, declarou. “Os Poderes têm que se respeitar para o bem de todos.”

O presidente disse, ainda, que a política externa é “excepcional” e que o Brasil tem negócios com o mundo todo. Também afirmou, de forma irônica, que o País está na contramão, com inflação baixa e PIB em alta. “Os números sempre refletem a verdade, exceto as pesquisas”, criticou.

O chefe do Executivo também elogiou o discurso da primeira-dama Michelle na convenção do PL, no último domingo, que lançou sua candidatura à reeleição. Para Bolsonaro, ela falou “muito melhor”.

(*) Com informações da Agência Estado

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS