Manaus, 26 de maio de 2024
×
Manaus, 26 de maio de 2024

Cenário

Possível apoio de vereadores a Roberto Cidade expõe divisão antiga na CMM

O presidente da Aleam demonstra querer disputar a cadeira de prefeito e pode ser que conte com a máquina da Assembleia, CMM e Governo.

Possível apoio de vereadores a Roberto Cidade expõe divisão antiga na CMM

Manaus (AM) – A exatamente um ano da eleição, o tabuleiro da política amazonense começa a ser movimentado de forma mais intensa, desenhando caminhos que devem ser trilhados por aqueles que almejam conquistar a tão sonhada cadeira de prefeito de Manaus.

Nas últimas semanas, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Roberto Cidade (União Brasil), deixou clara a sua intenção em participar do pleito municipal de 2024, como um dos nomes que concorrerá à vaga de chefe do Executivo. O político conta com um apoio essencial, o do governador do estado, Wilson Lima (União Brasil), que pertence ao mesmo partido do deputado.

Para alcançar êxito na caminhada, Cidade já vem costurando outros importantes apoios para esse processo até o próximo ano, e, um deles, é a confiança dos vereadores da capital. Até o momento, Roberto conta com a simpatia de pelo menos a metade dos representantes de Manaus, que podem dar apoio à sua candidatura, se for levada em consideração as últimas movimentações dos bastidores da política no estado.

Esses vereadores são os mesmos que apoiaram o atual presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Caio André (Podemos), quando ele se candidatou ao cargo e saiu vitorioso da disputa derrotando Elan Alencar (DC), que era o candidato da base aliada da prefeitura da capital, no início deste ano.

No dia 27 de outubro, o grupo de 21 vereadores esteve num almoço planejado por Caio André, que contou com a presença do presidente do Parlamento estadual.

Os que marcaram presença no encontro foram: Caio, Alan Campelo (Podemos); Glória Carrate (PL); Daniel Vasconcelos (Podemos); Diego Afonso (União Brasil); Elissandro Bessa (Solidariedade); Everton Assis (União Brasil); Capitão Carpê (Republicanos); Ivo Neto (Patriota); Jaildo de Oliveira (PCdoB); João Carlos (Republicanos); Lissandro Breval (Avante); Márcio Tavares (Republicanos); Marcelo Serafim (PSB); Professora Jacqueline (União Brasil); Raiff Matos (Democracia Cristão); Rodrigo Guedes (Podemos); Thaysa Lippy (Progressistas); William Alemão (Cidadania); Yomara Lins (PRTB), além de Rosivaldo Cordovil (PSDB), que participou remotamente, uma vez que não estava na cidade.

Informações de bastidores dão conta de que, na ocasião, o pretenso candidato a prefeito conversou com os parlamentares sobre o futuro de Manaus, expondo as propostas que ele e os seus aliados têm para a capital.

Outra informação é de que o grupo de vereadores expôs a sua insatisfação com a atual administração da cidade, pontuando situações de não cumprimento de acordos, promessas e dificuldades com as comunidades, nas quais eles têm as suas bases eleitorais, justamente, por falta de apoio às suas demandas.

Ainda não duradouro

Diante dos últimos acontecimentos, o Portal AM1 ouviu especialistas em eleições, cientistas e analistas políticos para apresentar ao eleitor um panorama das movimentações políticas que acontecem com foco nas eleições 2024.

Para Gilson Gil, que é sociólogo, cientista político, especialista em eleições e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o que está acontecendo ainda não é duradouro ou sólido, uma vez que é preciso esperar os movimentos dos demais autores nesse processo, incluindo o governador e o atual deputado federal Amom Mandel (Cidadania), que é um dos nomes que surge em boa posição em pesquisas eleitorais, além do ex-deputado estadual e ex-candidato ao Governo, Ricardo Nicolau, e a defensora pública e também ex-candidata ao cargo majoritário em 2022, Carol Braz.

“Os pretensos candidatos estão se mexendo; buscam apoio, ensaiam alianças e testam seus nomes. Estão se movimentando, vendo o que conseguem obter de apoio e qual a rejeição que terão. David tem a máquina da prefeitura e virá, certamente, para a disputa. Ele está em campanha aberta pelos bairros, na mídia e dentro do seu próprio governo. Cidade está testando o nome, não tem nada a perder, pois é deputado estadual, continuaria com o mandato se porventura perdesse. Inclusive, pode estar testando se o governador o apoiaria contra David”, pontuou.

Maiores pretensões

O cientista político explicou que essa é uma fase bem preliminar e que o interesse de Wilson Lima é o Senado Federal em 2026.

“Agora, em 2024, ele (governador) está apenas tecendo alianças, vendo como montar a estrutura para 2026, qual o candidato a prefeito que mais lhe interessaria e qual a posição de seu vice, o Tadeu (de Souza), indicado por David”, disse.

Gilson afirmou, ainda, que os vereadores estão se “mexendo”, vendo quem lhes oferece mais apoio, já que eles terão uma campanha no ano que vem e precisam de dinheiro e estrutura.

Nas palavras do professor, os parlamentares da CMM estão nesse momento “leiloando” apoio, verificando o que cada pré-candidato pode lhes oferecer.

Mudança no rumo da eleição

Já na visão de Afrânio Soares, pesquisador, professor, analista político e proprietário da ‘Action Pesquisas’, o apoio da base de Caio André a Roberto Cidade não parece ser “suposto”, mas sim, um apoio “fechado” e, mesmo que os acontecimentos ainda sejam hipóteses e não possam ser confirmados, até 2024, a entrada do presidente da Assembleia na disputa mostra força política e pode mudar o rumo da eleição.

“Esse apoio não me parece suposto, porque tanto o deputado Roberto Cidade, quanto os vereadores e o próprio presidente Caio André, são do mesmo grupo político – que é o grupo político do governador, Wilson Lima”, destacou.

Sobre as especulações que foram veiculadas, de que alguns vereadores ficaram constrangidos com a presença de Cidade no almoço do dia 27, Soares disse que, em sua opinião, nenhum vereador estava constrangido por estar manifestando apoio ao presidente da Aleam.

O analista enfatizou que, antes da entrada do deputado estadual na disputa, o pleito estava dividido apenas entre dois players: entre o atual prefeito e o deputado federal Amom e, para ele, essa polarização deixou de existir a partir desse novo cenário.

Poder de articulação

“Eu vejo o deputado (Roberto) com um poder de articulação muito grande, ele próprio tem a máquina da Assembleia na mão e se ele contar com a máquina do Governo e a máquina da Câmara Municipal, pode apostar que ele fará um barulho grande. Além disso, tem a questão de que, para o governador, a opção de apoiar o prefeito David não é a mais confortável, porque o que eu enxergo é o fato de que o grupo político do Wilson é um, e o grupo político do David é outro; eu vejo nessa dinâmica, afirmou.

Soares explicou que, apesar de considerar esse apoio como fechado, entende que ainda é muito cedo e atribui toda essa movimentação ao governador.

“O crédito inicial é do governador, porque o governador, ao acolher com simpatia a intenção de colocar, vincular o seu nome ao do deputado Roberto Cidade ele startou um processo e esse processo torna a eleição mais interessante ainda. E ao mesmo tempo, se o prefeito David Almeida não contar com o apoio do governador, ele tem que se agarrar no apoio do PL que é partido do ex-presidente Jair Bolsonaro e de sua própria máquina que é a prefeitura”, concluiu.

LEIA MAIS: