Manaus, 13 de abril de 2024
×
Manaus, 13 de abril de 2024

Brasil

Data marca mais de 200 anos da Abolição da Escravatura Indígena

O Portal AM1 te contextualiza sobre a importância do dia 1º de Abril, alusivo ao Dia da Abolição da Escravatura Indígena, lei imposta no Brasil em 1758

Data marca mais de 200 anos da Abolição da Escravatura Indígena

Os índios nativos foram os primeiros na tentativa de mão de obra escrava pelos portugueses. (Foto: Fabio Pozzebom/Agência Brasil

Manaus (AM) – Muito se fala na escravatura dos negros no Brasil, que por um grande período, as mãos dos homens e mulheres vindos da África foi a principal mão de obra. No entanto, a primeira tentativa de exploração humana à escravidão foi com os indígenas, por volta de 1530, anos após quando os portugueses chegarem em terras brasileiras, em 1500.

Como forma de não apagar a história dos nossos antepassados o Portal AM1 te contextualiza sobre a importância do dia 1º de Abril, alusivo ao Dia da Abolição da Escravatura Indígena, lei imposta no Brasil em 1758.

Como se sabe, os portugueses desembarcaram no Brasil e buscaram contato com os indígenas nativos para conhecer a região e, futuramente, as riquezas que seriam extraídas da nossa terra. De acordo com Carlos César Higa, na série ‘Escravidão Indígena’, o primeiro ciclo econômico da colônia portuguesa foi a extração do pau-brasil, que era retirado da floresta pelos próprios índios.

Esse trabalho era recompensado com troca de objetos que não tinham valor comercial para os portugueses, mas que chamavam a atenção dos nativos brasileiros, justamente por nunca terem visto. O Brasil servia como parada entre as viagens de Portugal até as Índias, que também lucrava com o comércio de especiarias, mas que estaria sob risco por conta de invasões de piratas ingleses e franceses, o que fez com que os portugueses focassem no comércio brasileiro.

Apesar da extração do pau-brasil, ainda assim era pouco lucro. Então, os portugueses se aproximaram dos indígenas na tentativa de conhecer ainda mais a nova terra, e logo em seguida, escravizá-los. Uma dessas investidas foi a catequização dos indígenas, com destaque para o Padre José de Anchieta, que aprendeu a língua tupi-guarani e foi o primeiro a fazer um dicionário sobre ela, conforme relatou Higa.

A escravidão

Segundo o pesquisador, a principal causa da escravidão dos índios foi a colonização do Brasil. Antes da Coroa se fixar no Brasil, os portugueses vinham apenas em solo brasileiro para explorar as riquezas, ou seja, precisavam de trabalhadores, ou melhor, mão de obra escrava. Sendo assim, a única ‘disponível’ era a indígena, que não estavam acostumados a trabalhar da forma que os portugueses ordenavam.

Com o estranhamento do novo modo de viver dos índios, os colonizadores presenciaram revoltas dos nativos e iniciaram uma série de ameaças para que os mesmos realizassem o trabalho. Os portugueses utilizaram a força física e a propagação de doenças para forçarem os índios a serem escravos da Coroa.

Alguns índios começaram a fugir para os interiores do Brasil e outras tribos entraram em conflito com os portugueses, como explicou Higa na série de reportagem. Com a recusa da mão de obra indígena, os portugueses optaram por recolher a população africana e obrigarem a trabalhar como escravos.

Os jesuítas tiveram uma importante um importante papel na proteção dos índios na época. Quando viam a tentativa dos colonos em forçarem os indígenas ao trabalho escravo, fugiam com os nativos para os interiores do Brasil, foi assim que surgiram as missões de jesuítas, uma vez que os mesmos enxergavam os indígenas como inferiores e que, se não convertidos, seriam condenados.

O trabalho escravo já era conhecido de algumas tribos, visto que os indígenas entravam em batalha ente si e o perdedor era escravizado. No entanto, o modo como os portugueses exigiam trabalho dos nativos era diferente do que eles faziam nas tribos, por conta disso, a repulsa em fazer o que era imposto para eles.

Desse modo, como explicou Higa, a Coroa portuguesa determinou que os colonos fizessem uma ‘guerra justa’ com os indígenas, e só poderiam escravizá-los quem tivesse entrado em conflito com os portugueses, sem a provocação dos mesmos.

Mesmo com as diversas tentativas de forçar os índios a trabalharem, a escravidão indígena gerou diversos prejuízos para a Coroa. Fuga para regiões distantes, indisponibilidade dos nativos, jesuítas na proteção dos índios, foram os principais motivos para que os portugueses voltassem atrás com a ideia.

Com isso, em 1755, foi criada uma lei válida apenas para o Estado Grão-Pará e Maranhão, onde ficou proibida a escravatura de indígenas. Três anos depois, a lei foi estendida para todo o Brasil, e o dia 1º de Abril foi instituído para marcar o Dia da Abolição da Escravatura Indígena.

Referências: HIGA, Carlos César. “Escravidão indígena”; Brasil Escola. 

Leia mais: