MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Congresso analisa aumento do fundo eleitoral para R$ 6 bi em 2022

A verba dos cofres públicos é dividida entre os partidos políticos para bancar a campanha eleitoral dos candidatos
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 15 de julho de 2021 – 14:17
Congresso analisa aumento do fundo eleitoral para R$ 6 bi em 2022
Foto: Agência Brasil

BRASÍLIA, DF – O Congresso analisa nesta quinta-feira (15) um aumento bilionário para o fundo de financiamento para a campanha eleitoral de 2022. O fundo eleitoral, segundo técnicos que participaram das negociações, pode chegar a quase R$ 6 bilhões.

Essa verba dos cofres públicos é dividida entre os partidos políticos para bancar a campanha e é hoje o principal mecanismo de financiamento público dos candidatos.

Em 2020, ano de eleição municipal, o Congresso tentou emplacar uma transferência de quase R$ 4 bilhões. Mas teve que recuar por causa da repercussão negativa e do desgaste político. O valor foi então estabelecido em R$ 2 bilhões.

Leia mais: Após se filiar ao PSL, Datena conta que era mais próximo de Lula do que de Bolsonaro

O valor almejado por líderes partidários para o fundo em 2022 também é bem superior ao repartido em 2018, última campanha para eleição presidencial e do Congresso. Em 2018, os recursos somaram cerca de R$ 2 bilhões, em valores corrigidos pela inflação.

Até 2015, as grandes empresas, como bancos e empreiteiras, eram as principais responsáveis pelo financiamento dos candidatos. Naquele ano, o Supremo Tribunal Federal proibiu a doação empresarial sob o argumento de que o poder econômico desequilibra o jogo democrático.

Para as eleições de 2018 foi criado então o fundo eleitoral, de R$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 2 bilhões com correção pela inflação), que se somou aos recursos já existentes do fundo partidário, em torno de R$ 1 bilhão.

Apesar da proibição do STF, há brechas que mantêm o desequilíbrio em favor dos mais ricos, devido às doações de empresas feitas por meio de seus executivos, como pessoa física, além do autofinanciamento – ou seja, a possibilidade de os candidatos bancarem suas próprias campanhas, limitados apenas pelo teto estabelecido para cada candidatura.

Leia mais: Flávio Bolsonaro revela que o presidente chegou a ser intubado

A estratégia do Congresso para elevar o fundo eleitoral em 2022 envolve a votação da LDO (lei que dá as diretrizes para elaboração do Orçamento) do próximo ano e que deve ocorrer nesta quinta.

O relator do projeto, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), alterou a versão original da proposta, enviada pelo governo em abril. A mudança prevê que o fundo de financiamento da campanha eleitoral terá o valor de 25% da verba da Justiça Eleitoral em 2021 e em 2022, além de uma parte das emendas de bancada estaduais.

Segundo técnicos do Congresso, isso estabeleceria um piso mínimo para o fundo eleitoral do próximo ano, que deve ser superior a R$ 5,7 bilhões. Sem a mudança feita por Juscelino Filho, não haveria um patamar mínimo para o financiamento da campanha.

Se o Congresso aprovar a LDO com essa mudança feita pelo relator, o Orçamento de 2022, a ser enviado pelo governo em agosto, teria que já prever quase R$ 6 bilhões para o financiamento da campanha. Isso porque o Orçamento tem que seguir as regras previstas na LDO (lei de diretrizes orçamentárias).

O aumento foi criticado pela deputada Adriana Ventura (Novo-SP) durante a análise do parecer de Juscelino Filho na CMO (Comissão Mista de Orçamento). “A gente acredita que dinheiro público tem que ser usado para aquilo que é essencial, que é educação, saúde e segurança”, afirmou.

Leia mais: ‘Ou fazemos eleições limpas ou não temos eleições’, diz Bolsonaro ao cobrar voto impresso

“Cidadão não tem que pagar campanha de ninguém. Eu acho que as campanhas têm que ser bancadas pelos apoiadores e pelos filiados dos partidos que bancam essas campanhas e esses candidatos.”

“Um país que não tem saneamento, um país onde nós temos escolas fechadas há um ano e meio sob alegação de que não tem torneira e não tem água, é um absurdo destinar R$ 6 bilhões para fazer campanha política”, disse a deputada.

“A gente precisa de dinheiro para o novo Bolsa Família, a gente precisa fazer o Censo, vamos lembrar que não tivemos Censo nem verba para o Censo, infraestrutura e, principalmente, para matar a fome das pessoas.”

(*) Com informações da Folhapress

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap