MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

David Reis nomeia presidente denunciado em 2018 para comandar licitações na CMM

Wandecy Gomes Campos já foi presidente da comissão em 2018. Na época, se tornou suspeito de facilitar licitação para amigos empresários
Edilânea Souza – Portal AM1*
• Publicado em 06 de outubro de 2021 – 08:31

MANAUS, AM – Com a grande polêmica em torno da construção de um segundo anexo na Câmara Municipal de Manaus (CMM) e sucessivas derrotas judiciais – que embargaram o andamento do processo licitatório -, o presidente da Casa Legislativa, David Reis (Avante) exonerou Felisberto Batista Nunes do comando da Comissão de Licitação e trouxe de volta à CMM, Wandecy Gomes Campos, que já presidiu a mesma comissão em anos anteriores.

Na gestão anterior de Wandecy Gomes, um fato marcou as licitações da CMM, pois tanto Wandecy, à época, como a pregoeira Kelly Cristina Santos Costa foram levados à Justiça, por suspeita de favorecimento à empresa que concorria a um processo licitatório.

A licitação em questão tratava-se da contratação de empresa prestadora de serviços no ramo da comunicação para desenvolver produção, transmissão e veiculação ao vivo das sessões plenárias daquele Poder Legislativo em canal digital de televisão aberta com licença do Ministério das Comunicações.

Leia mais: David Reis exonera presidente da Comissão de Licitação da CMM

No processo impetrado na Justiça em 2018, contra Wandecy e Kelly Cristina, foi alegado pela empresa desclassificada que não houve opção para recorrer, uma vez que a Comissão de Licitação da CMM relatou novamente impedimento.

“Na sessão realizada no dia 7 do mês de fevereiro, a Pregoeira decidiu por inabilitar a Impetrante por suposta violação ao item 4.3.12 do Edital, no que se refere a apuração do ÍNDICE DE LIQUIDEZ GERAL, por entender que a fórmula utilizada no balanço patrimonial diverge do modelo de fórmula descrita no Edital.”

Após a primeira tentativa de recorrer da decisão da pregoeira, a empresa que pediu medida cautelar informou, à época, que teve o pedido levado ao presidente da Comissão de Licitação, mas foi negado pela segunda vez.

À época, a Justiça do Amazonas determinou que a empresa reclamante estava apta a concorrer ao certame, alegando inconsistência nas informações que a tornaram desabilitada, pelo presidente da Comissão de Licitação, que retorna à CMM, Wandecy Gomes Campos.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap