"Vai preservar a competitividade", afirma secretário de economia sobre IPI

US - R$ 5,10

×

‘Vai preservar a competitividade’, diz secretário de Guedes

Segundo o vice-governador Carlos Almeida, o governo do Estado está preocupado com a taxação do IPI e, por isso, o governador Wilson Lima foi até Brasília para tratar do assunto. 

Da esquerda para a direita: O superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, o secretário Carlos da Costa e o vice-governador Carlos Almeida (Foto: Carlos Gurgel)

O representante da Secretaria Especial de Produtividade, Empregos e Competitividade  (Sepec), Carlos da Costa, afirmou na manhã desta quinta-feira, 20, que brevemente será decidido o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) do setor de concentrados da Zona Franca de Manaus (ZFM). 

O secretário do Ministério da Economia afirmou, ainda, que a decisão vai manter a competitividade da região: “Em relação aos concentrados, nós estamos nos ‘finalmente’ para tomar uma decisão que vai preservar a competitividade da região. Tá na mesa do presidente”.

A declaração foi dada após reunião do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS), realizada na Suframa

Leia mais em: IPI de concentrados de bebidas deve ser fixado em 8%

Segundo o vice-governador Carlos Almeida, o governo do Estado está preocupado com a taxação do IPI e, por isso, o governador Wilson Lima foi até Brasília para tratar do assunto. 

“O recado que se quer dar aos investidores é que o Amazonas é uma terra possível e passível de investimentos de forma perene. (…) nós precisamos de algo muito mais estável para que nós possamos fazer um modelo de desenvolvimento na região”, declarou. 

Veja também: Bolsonaro manobra ‘IPI dos Concentrados’ da Zona Franca de Manaus e sentencia modelo

Alteração no PPB

A Sepec publicou, momentos antes da reunião do Conselho, uma portaria que altera o Processo Produtivo Básico (PPB) de televisores. 

Segundo o Carlos da Costa, a mudança foi realizada porque o Ministério da Economia está dando prioridade para a região amazônica no desenvolvimento. 

“Essa portaria de hoje vai no mesmo sentido. Nós queremos produtos cada vez melhores na região amazônica, mais competitivos”, declarou.

O secretário especial não deu muitos detalhes sobre como a mudança vai afetar a produtividade no polo Industrial do Amazonas. 

Faça um comentário