MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Em nota, Brasil pede respeito a direitos civis e ação da ONU no Afeganistão

'O governo brasileiro expressa sua profunda preocupação com a situação no Afeganistão e as graves violações dos direitos humanos', diz trecho do documento
Da redação – Portal AM1
• Publicado em 16 de agosto de 2021 – 21:06
Foto: Noorullah Shirzada/AFP

BRASILIA/DF – O governo Jair Bolsonaro divulgou na noite desta segunda-feira (16) uma nota na qual expressou “apreensão com o aumento da instabilidade na Ásia Central” em razão da conquista de poder pelo Taleban no Afeganistão, consolidado no domingo com a conquista da capital, Cabul. O Itamaraty citou a necessidade de respeito aos direitos das mulheres no país.

“O governo brasileiro expressa sua profunda preocupação com a deterioração da situação no Afeganistão e as graves violações dos direitos humanos”, escreveu o MRE (Ministério das Relações Exteriores), na nota.

De acordo com o Itamaraty, “o Brasil espera o rápido engajamento das Nações Unidas para o estabelecimento de canais de diálogo e espera que o Conselho de Segurança possa atuar para assegurar a paz na região”.

Leia mais: Biden defende decisão de retirar militares americanos do Afeganistão

“É essencial assegurar a atuação plena da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (Unama)”, disse a pasta, no comunicado.

O governo ainda disse conclamar os atores envolvidos na crise “a proteger civis, respeitar o direito internacional humanitário, garantir o acesso desimpedido da ajuda humanitária e respeitar os direitos fundamentais do povo afegão, em especial de mulheres e meninas”.

De acordo com o Itamaraty, é necessário que se preserve os “ganhos obtidos na últimas décadas em matéria de direitos humanos, fortalecimento da democracia e desenvolvimento socioeconômico no Afeganistão”.

Segundo o MRE, não há registro de brasileiros morando ou em trânsito no Afeganistão. O Brasil não tem embaixada no país hoje sob comando do Taleban.

Informações devem ser solicitadas por brasileiros no telefone de plantão da embaixada no Paquistão (+92 300 8525941) ou na Divisão de Assistência Consular do MRE (+55 61 98197-2284), em Brasília.

Leia mais: Piloto do Afeganistão é morto em ataque Talibã

Mais cedo, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, veio a público reafirmar sua decisão de retirar as tropas americanas e atribuiu a culpa do colapso do país ao governo e aos militares afegãos.

O pronunciamento foi feito um dia após o grupo fundamentalista islâmico Taleban tomar o controle do Afeganistão.

“O avanço do Taleban se desdobrou mais rapidamente do que prevíamos. E o que aconteceu? Líderes políticos afegãos desistiram e fugiram do país”, disse Biden, em discurso na Casa Branca, nesta segunda .

“Os militares afegãos desistiram, algumas vezes sem tentar lutar. Isso comprovou que não devemos estar lá. Tropas americanas não devem lutar e morrer numa guerra que os afegãos não querem lutar.”

Em uma fala na qual lavou as mãos sobre as responsabilidades americanas na crise afegã, o democrata listou esforços dos EUA para construir um governo que pudesse fazer frente à facção radical, incluindo o gasto de mais de US$ 1 trilhão e o treinamento de 300 mil militares, “uma força maior em número do que a de muitos aliados da Otan [aliança militar do Atlântico Norte]”.

“Demos todas as ferramentas. Pagamos salários. Demos uma força aérea, algo que o Taleban não tem. Mas não podíamos dar a vontade de lutar.”

(*) Com informações da Folhapress

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap