MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Empresa criada há apenas dois meses ganha preferência de contrato milionário em Maués

Donos da empresa são parentes de João Bosco Bendahan Sarraff de Resende, ex-policial civil apontado como integrante da suposta organização criminosa liderada pelo ex-deputado estadual, já falecido, Wallace Souza
Juliana Siqueira – Portal AM1
• Publicado em 27 de agosto de 2021 – 15:41
Maués
Prefeito de Maués, Júnior Leite (PSD). Foto: Reprodução

Maués, AM – O prefeito de Maués, Júnior Leite, pretende fechar um contrato milionário com a empresa M R Conservação e Limpeza Ltda, cujo donos são Moisés Bendahan Sarraff Resende e Ana Maria Paiva Chaves Bendahan Sarraff de Resende. Moisés é filho de João Bosco Bendahan Sarraff de Resende, ex-policial civil apontado como integrante da suposta organização criminosa possivelmente liderada pelo ex-deputado estadual, o já falecido Wallace Souza.

Além disso, chama atenção também que a firma a ser contratada foi criada há menos de dois meses, em junho de 2021.

O eventual contrato com a empresa terá custo de R$ 2,9 milhões e visa à aquisição de materiais de informática. Além dela, o prefeito Júnior Leite pretende contratar, ainda, outras duas empresas: a P E G – COMERCIO E SERVICOS DE INFORMATICA LTDA, por R$ 1,9 milhão, e a M E DOS S GOMES – ME, pelo valor de R$ 897 mil.

O documento publicado no Diário Oficial dos Municípios na última quarta-feira (25) trata-se de um despacho de homologação, portanto, ainda não é o contrato oficial. Mas deixa engatilhada a aquisição que soma R$ 5.822.430,00.

A empresa que receberá o maior valor é justamente a M R Conservação e Limpeza Ltda, que pertence à família Resende, no Amazonas. João Bosco Bendahan Sarraff de Resende é pai de Moisés e atuou como facilitador para a família Souza se tornando alvo das investigações em torno do ‘Caso Wallace’.

‘Caso Wallace’

Em 2009, os irmãos Carlos e Fausto Souza foram denunciados pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM), a partir de denúncias do ex-policial militar Moacir Jorge Pessoa da Costa, o ‘Moa’. Na ocasião, Moa trabalhava como segurança do ex-deputado estadual Wallace Souza, falecido em 2010.

Foto: Divulgação

De acordo com as investigações, Carlos, Fausto e Wallace usavam a influência de parlamentares para facilitar o tráfico de drogas e eliminar desafetos, com o apoio do coronel Felipe Arce Rio Branco, então chefe da Divisão de Inteligência da Polícia Militar do Amazonas (PMAM). Já João Bosco Resende foi apontado como informante e facilitador de Wallace, passando informações privilegiadas de dentro do sistema policial.

Em 2010, Felipe Arce Rio Branco e João Bosco Resende foram condenados a detenção no regime aberto.

Já em 2019, a Justiça do Amazonas condenou Carlos e Fausto a 15 anos de prisão pelo crime de associação para o tráfico. Na ocasião, João Bosco Sarraf, e outros três envolvidos que faziam parte da equipe do Canal Livre ou trabalhavam para a família, foram absolvidos.

Leia mais: TJAM absolve Carlos e Fausto Souza do crime de associação para o tráfico

Empresa recém-criada

Além do histórico polêmico da família, chamou atenção, também, que a empresa foi criada em junho deste ano, ou seja, possui menos de dois meses de funcionamento e já ganhou uma licitação milionária na administração pública.

A firma está inscrita no CNPJ nº 42.403.306/0001-39 e, após consulta no site da Receita Federal, a reportagem do Portal Amazonas1 constatou que o estabelecimento sequer possui especialidade no comércio de materiais de informática, mas sim em serviços de “limpeza em prédios e em domicílios”.

A atividade que será contratada pelo prefeito de Maués só vem a aparecer entre os 39 trabalhos secundários que a empresa realiza. Atendendo pelo nome fantasia MBS EMPREENDIMENTO, a firma fica localizada no bairro Novo Aleixo, em Manaus, e possui capital social de R$ 500 mil.

Outro lado

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Maués afirmou que ainda não adquiriu nenhum equipamento de informática, uma vez que o documento trata-se de um registro de preços dos materiais. Os eletrônicos, segundo a prefeitura, devem atender aos departamentos administrativos das 10 secretarias municipais.

Sobre a empresa vencedora da licitação, a prefeitura se limitou a dizer que a firma “apresentou todos os documentos solicitados pela comissão de licitação”.

Leia a resposta na íntegra

Em resposta aos questionamentos:

1. Não houve aquisição de nenhum equipamento, foi feito um registro de preços dos equipamentos para na necessidade fazer a aquisição.

2. O município de Maués é o sexto do Estado, possui 10 secretarias e 3 autarquias que por sua vez possuem departamentos administrativos.

3. A modalidade de registro de preços não obriga o município a fazer aquisição total.

4. e 5. A contratação de empresas para o fornecimento de materiais/equipamentos ou serviços para Prefeitura passam por um processo de habilitação  e a referida empresa apresentou todos os documentos solicitados pela comissão de licitação.

Sem mais, estamos à inteira disposição.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap