TRE arquiva processo de cassação contra José Melo e Henrique

Melo alegou que todas as provas apresentadas contra ele eram frágeis e que não teve seus direitos amplamente atendidos na ação
DA REDAÇÃO – PORTAL AM1
Publicado em 19/07/2022 04:35
Foto: Valdo Leão/Divulgação

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) publicou, no último dia 14, no Diário Oficial do órgão, a decisão que arquivou um dos processos e que pedia a cassação do ex-governador, José Melo (PROS) e do ex-vice-governador Henrique Oliveira (Podemos), referente às eleições de 2014. (Ver documento no final da matéria).

A Coligação Renovação e Experiência, do senador Eduardo Braga (PMDB), que na época perdeu o pleito para José Melo, foi a autora do processo, que era uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) sob o nº 0002171-22.2014.6.04.0000. A denúncia afirmava que Melo e Oliveira deveriam ter os mandatos cassados por abuso do poder político.

Leia mais: José Melo, pré-candidato a deputado estadual, afirma ter alternativa econômica para substituir Zona Franca de Manaus

De acordo com a ação, o ex-governador usou a estrutura da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em Manacapuru para ganhar a eleição, cooptando professores com uma quantia de R$ 3 mil. O ex-secretário de Educação, Rossieli Soares também era um dos alvos do processo.

Segundo a publicação recente do TRE, um recurso apresentado por José Melo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu pelo não prosseguimento da ação no dia 22 de outubro de 2021; julgamento que foi do ministro Alexandre de Moraes.

Foto: Divulgação

Leia mais:José Melo ainda busca direitos políticos: ‘Henrique Oliveira já disputou dois pleitos’

Ainda segundo o texto, ‘nenhuma penalidade foi aplicada aos investigados’, por isso, a ação foi arquivada, referente à denúncia de uso da máquina pública, especificamente a Seduc, para benefício dos envolvidos.

A reportagem do AM1 conversou com José Melo sobre o arquivamento da AIJE. O ex-governador lembrou que nas eleições de 2014, a chapa dele e Oliveira teve mais de 863 mim votos, sendo 173 mil votos de diferença de Eduardo Braga.

“Não satisfeito, o nosso adversário entrou com um rosário de processos, na época, contra a gente. Me sinto honrado toda vez que vejo que a inocência está sendo comprovada, a justiça está sendo feita”, enfatizou.

Outro processo

José Melo e Henrique Oliveira foram cassados em 2017 em outro processo, também apresentado por Braga. A ação que afastou os políticos dos cargos de governador e vice é o famoso processo em que eles são acusados de comprar votos, por meio de uma Organização Não Governamental (ONG) ligada à empresária Nair Blair.

Leia mais: José Melo ativa redes sociais, mas é cobrado por seguidores: ‘o senhor não ganha pra nada’

Na época, Melo alegou que todas as provas apresentadas contra ele eram frágeis e que não teve seus direitos amplamente atendidos na ação. 

Foto: Adneilson Severiano

Atualmente, o ex-governador é pré-candidato a deputado estadual e o ex-vice-governador, pré-candidato a governador. No processo, os dois foram cassados, mas só Melo se tornou inelegível.

Sobre o assunto, Melo falou com o Portal AM1 no último dia 5. Na ocasião ele explicou que está inelegível até outubro deste ano, mas já recorreu ao Superior Tribunal Federal (STF), para que possa concorrer a atual eleição.

Melo frisou que a Justiça reconheceu que o motivo para a sua cassação não existiu.

Confira os documentos:

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS